Esperança – Iêda Leal, coordenadora nacional do Movimento Negro Unificado (MNU) neste texto, ousa falar de esperança e de realizações, principalmente, da vitória de seu povo preto nas eleições de 2020

Por Iêda Leal

Hoje eu quero falar de esperança e de realizações. Quero focar no resultado de um esforço ancestral que foi nada menos que a maior participação de negras e negros na história política brasileira.

Sei muito bem que apenas 18% da verba do Fundo Especial de Financiamento de Campanha (FEFC) – também chamado de Fundo Eleitoral – foram destinados às candidaturas a prefeito(a) e vereadores(as) pretas e pardas, e, portanto, que muitos(as) dos(as) nossos(as) não foram contemplados(as) de forma justa, mas vamos continuar acompanhando.

Queremos aqui enaltecer e comemorar os frutos da nossa resistência e confirmar a importância da nossa decisão de chamar a população negra desse País (somos 56% da população brasileira) para colocarmos nossas caras pretas nas Câmaras Municipais e Prefeituras. E exigimos que seja respeitada a regra que prevê que os partidos têm de adotar a proporcionalidade dos recursos do Fundo Eleitoral, primeiro pensando o gênero dos candidatos e depois o critério racial. Trocando em miúdos, o dinheiro deve ser distribuído proporcionalmente entre mulheres negras e brancas e entre os homens negros e brancos.

Mas apesar de todas essas armadilhas, mesmo assim, elegemos representantes para muitas cidades com um perfil de militância em defesa da vida e contra o racismo. Isso confirma que estamos no caminho certo: investir em quem sabe dialogar com a nossa população e que são pessoas muito próximas das nossas lutas e reivindicações ancestrais. As(os) eleitas(os) são representantes dos nossos anseios por justiça para o povo negro.

Nem por um momento perco de vista que negros(as) são apenas 6% dos(as) vereadores(as) do total de eleitos, enquanto brancos(as) foram 53%. Mas eu estou, sim, orgulhosa do nosso avanço.

Esse resultado não veio porque estamos sendo tratados com mais justiça ou igualdade. Muito pelo contrário, o racismo recrudesceu na nossa sociedade e o genocídio mantém a sua sanha sanguinária entre a juventude negra da periferia.

Mas é assim que vai ser: onde tiver racismo, vamos tirá-lo do caminho com muita luta, para garantir nossa visibilidade nos espaços de poder e colocar nossa competência para nos representar nesses locais. Mas estamos vivas e vivos e as vidas negras importam. Principalmente quando ocupamos as tribunas e os plenários de onde sempre fomos apenas meros coadjuvantes na hora de votar. Vamos sim, ampliar nossos lugares de fala!

Parabéns a todos(as) os(as) candidatos(as) negros(as) eleitos(as) e que não percam de vista a importância histórica do nosso protagonismo.

Viva Zumbi! Viva Dandara! Vivam as Marielles que brotam todos os dias pelo nosso País!

Iêda Leal – Coordenadora Nacional do MNU. Tesoureira do SINTEGO. Manifesto lançado pelo MNU em 21 de março de 2020

 

 

 

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: