Para não esquecer, 3 anos depois da execução: Marielle sofria preconceito do filho do inominável – Carlos Bolsonaro não usava o mesmo elevador que assessores negros de Marielle Franco

Por Redação/Esquerda Diário

Segundo relato da assessora de Marielle Franco, Fernanda Chaves, sobrevivente do atentado que resultou na morte da vereadora e do motorista Anderson, o vereador e filho do presidente, Carlos Bolsonaro, teve uma briga com a vereadora e um de seus assessores em 2017, desde então começou a evitar em pegar elevador com assessores da vereadora, que em relatos de outros assessores, apenas pegava elevador com os assessores branco de Marielle.

Fernanda Chaves, assessora de Marielle Franco que acompanhava ela na noite que ela e o motorista Anderson foram assassinatos. Havia feito um depoimento ano passado relatando uma briga pública entre Marielle e o vereador Carlos Bolsonaro, filho do presidente.

Segundo o depoimento da assessora, no ínicio do mandato de Carlos Bolsonaro em 2017, ocorreu uma situação em que Carlos estava passando pelo o corredor da Câmara de vereadores, e ouviu uma conversa de um assessor da Marielle com uma pesquisadora mexicana. Ao apontar para o gabinete de Carlos, o assessor referiu-se a ele como “fascista”. Carlos estava no telefone, mas ouviu e começou a discutir com o funcionário e a usar palavras de baixo calão. O assessor tentava explicar o que havia dito, mas Carlos não ouvia.

Nisso Marielle viu a cena e entrou entrou no meio da discussão e peitou Carlos Bolsonaro, ameaçando chamar a segurança. A partir de então, Carlos parou de entrar no mesmo elevador em que estivesse Marielle ou outra assessora negra da vereador, e segundo relatos de antigos assessores de Marielle, Carlos Bolsonaro só entrava no elevador quando estavam assessores brancos de Marielle, mostrando o caráter racista dele, assim como é de seu pai e de todo o clã Bolsonaro.

Ontem a noite veio à tona a denúncia de que um dos suspeitos da morte da Marielle Franco teria ido a casa de Bolsonaro no mesmo dia do assassinato. Segundo relatos do porteiro do Condomínio em um depoimento teria afirmado que o suspeito élcio de Queiroz, entrou no condomínio e disse que iria para a casa de Bolsonaro, naquela época deputado.

Quem mandou mandou matar Marielle?

Estamos há mais de um ano sem saber quem assassinou cruelmente Marielle Franco e seu motorista Anderson no dia 14 de março de 2018. O crime, que abalou centenas de pessoas e que repercutiu internacionalmente, permanece sem respostas.

O ódio do partido de Bolsonaro, o PSL, contra Marielle já se manifestou dezenas de vezes, como por exemplo, o deputado Rodrigo Amorim que rasgou a placa em homenagem a vereadora.

Marielle foi morta a tiros em uma rua movimentada do Rio de Janeiro, meses após denunciar a matança policial deliberada nas favelas cariocas. A cada dia fica mais evidente a participação de agentes do Estado, entre policiais e milicianos na monstruosa execução de Marielle Franco.

A morte de Marielle e Anderson exigem respostas! As investigações devem ser independentes, para garantir que seus culpados sejam punidos.

Marielle, Presente!


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!

COMPRE AQUI

Comentários

%d blogueiros gostam disto: