Rosa Parks: A mulher que mudou o mundo com um simples “não”
 
Por Eduardo Bueno/A História Esquecida
Rosa Parks foi a mulher que mudou o mundo com um simples “não”. Ao recusar-se a ceder seu assento do ônibus para que um homem branco sentasse, nos Estados Unidos, a meros e míseros 66 anos atrás, Rosa Parks foi presa por violar a lei de segregação do repugnante estado sulista do Alabama.
 
A prisão de Rosa Parks fez com que praticamente toda a comunidade negra de Montgomery, a cidade onde ela vivia, reagisse coletivamente pela primeira vez, erguendo-se contra o racismo e boicotando o transporte público local até que as leis segregacionistas fossem extintas.
 
Durante 381 dias, mais de 40 mil negros de Montgomery mantiveram o boicote, elaborando um sistema de caronas para que ninguém fosse prejudicado. O impacto econômico de mais de um ano de boicote fez com que as autoridades fossem obrigadas a ceder. Por causa do “não” de Rosa Parks, a Suprema Corte americana declarou inconstitucional a segregação racial em transportes públicos.
 
O boicote aos ônibus na abjeta cidade de Montgomery passou para a história como um dos eventos mais importantes do movimento dos direitos civis, e Rosa Parks uma de suas principais figuras.
 
Hoje seria o aniversário de Rosa Parks, que nasceu em 4 de fevereiro de 1913, destinada a transformar o mundo num lugar um pouco menos asqueroso, graças ao poder positivo de um “não”. Viva Rosa, que é uma rosa, que é uma rosa!
 
Via página Buenas Ideias
Imagens: Reprodução/Internet
Pode ser uma imagem de 1 pessoa
 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

 
 
 
 
 
 
CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]