“Solte meu cabelo!”

De Edson Cardoso, enviado para o Portal Geledés 

No ano passado, uma professora do Recôncavo comentava comigo o caso de uma garota que tinha procurado sua professora, colega de minha informante, para pedir-lhe que intercedesse junto à mãe para que esta permitisse que ela fosse com os cabelos soltos para a escola. A garota dizia que já se cansara de pedir, sem êxito, à mãe: “Solte meu cabelo!”.

A criança insistia que queria ficar igual a suas colegas e amiguinhas e era grande a resistência da mãe, por isso queria a ajuda da professora.

A liberdade com que se expressam os cabelos de nossa juventude neste momento vai bater de frente com uma concepção de disciplina vigente em escolas militares. A questão essencial é, a meu ver: rasgados os véus enganadores dos preconceitos, as crianças estão curtindo a delícia e o prazer de serem quem são, certo? Sabem-se negras e curtem seu pertencimento étnico.

Diante desse fato, histórico e social, o que fará uma noção estreita de disciplina? Não tenho dúvidas, vai tentar inculcar preconceitos. Eu digo que vai tentar e antecipo que será uma tentativa vã, destinada ao fracasso.

Quando chamo a atenção para a dimensão histórico-social dessa afirmação da identidade é para salientar o esforço que fizemos para nos libertarmos daquelas travas da negação e do controle. Uma luta longa e difícil cujos resultados não poderão ser apagados por nenhum documento “legal”.

Recolho na farmácia um folheto publicitário. Um grupo de doze jovens negras em atitude desafiadora: “Hidratação poderosa para você definir seus cachos e seu amanhã”.

Sim, ninguém está falando somente de cabelos. Na real, o papo nunca foi esse. Como se pode ver, a hidratação permite fornecer elementos a nossa reflexão sobre poder e quem define o quê na nossa vida.

A disciplina militar que raspa, corta, prende e esconde também não engana ninguém. É como a prisão por vadiagem que se seguiu à Lei Áurea, em 1888. Era preciso continuar a manter o controle sobre corpos livres.

Os valores abstratos, que normalmente são alardeados como razão para as medidas repressoras, transformam-se em coisa nenhuma diante dos fatos desmoralizadores que acompanham os formuladores dessas políticas.

“Solte meu cabelo!” tem um significado que envolve a construção mesma da pessoa, não é acidental nem superficial, nem tampouco suscetível de controle pela disciplina militar.

Lembram-se de Tiririca? “Veja os cabelos dela/parece bombril de arear panela”. “Solte meu cabelo!” é modo de expressão da pessoa que enfrentou os tiriricas da vida e seus asseclas. O pensamento reacionário que se traveste de normas e regras disciplinares imagina-se capaz de retomar um tempo em que adultos viviam aterrorizando crianças com seu próprio cabelo.

Fonte: Geledés

Foto: All Things Hair

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: