Esse artigo tem outro escopo e outro “layout”. Porque a semiologia exige de nós a busca pela criatividade, sempre pensando no que possa ser o exercício dialético melhor otimizado a construir uma nova Estética Civilizatória.

Fiz esse poema (abaixo) que só faz sentido vendo a imagem[1] de uma mulher indígena, seminua, na devoção da Natureza, contemplando um EPI muito usado nesse tempo de Coronavírus: a máscara. Trata-se da foto de Joédson Alves que peço licença para escrever (sobre) em sua dialogia tão intensa.

Antes, pensando na incapacidade de nossas cínicas instituições (o poder formal) que “obriga” à fome e à doença nossos indígenas, ou os faz, deliberadamente, terem de se humilhar nas cidades, para buscar benefício de R$ 600,00 em casas lotéricas e bancos lotados, levando de volta às aldeias, a COVID-19.

Onde chegamos, minha gente?! Que civilização é essa, a nossa, que não dá conta minimamente de cuidar, senão, ao menos respeitar o isolamento (cada vez mais necessário) dos povos originários?! Respondo: é um projeto político de genocídio. Para que o Agronegócio, a Mineração e tudo que gira em torno da riqueza do capital avance mais e mais como um monstro que não se sacia. É preciso que se “mate” os povos indígenas. E como não podiam dizimá-los diretamente, a desfaçatez perante o Coronavírus, com a omissão do Estado, aliado a nosso silêncio militante[2], vai conseguindo completar a missão dos colonizadores de 1.500.

 

Estética Civilizatória

 Joédson Alves

Eles jamais precisaram de roupas.

Porque a Mãe-Terra só lhes reparava pureza.

Hoje se obrigam usar máscaras.

Porque os parentes da colonialidade,

Na mais fria pobreza:

A desumanidade,

Continuam outra forma de extermínio: o descaso!

A máscara é o acaso simbólico.

É o atesto que fracassamos enquanto humanos.

 

Cubramo-nos todos, agora,

Porque nossas vergonhas estão expostas,

Sem respostas,

Sem propostas,

Mas principalmente,

Sem essência

E, portanto, somente com essa

[ vidinha vazia que sobrou aos povos do lado de cá,

Em que as máscaras,

Faz tempo,

Caíram.

E esse é o pior do contaminar(-se):

Consolidamos nosso desumanizar(-se)…

……………

[1] Trata-se do povo Yanomami, no município de Alto Alegre, estado Roraima.

Para ver outras fotos:

https://www.laverdad.es/multimedia-dia/coronavirus-amenaza-pueblo-yanomami-20200702211816-ga.html#imagen4

[2] Preciso fazer uma confissão pessoal: ao ver a imagem; ao pensar nos nossos ancestrais gritando na Natureza; ao ir escrevendo o poema, sentia tanta dor no peito, tanta angústia. Peço desculpas pela carga de emoção, se – para você – exagero!

[3] Dei ao poema o mesmo título que usei na base do artigo: “Os povos e as máscaras”

Marconi Moura de Lima Burum.

Professor, escritor. Graduado em Letras pela Universidade de Brasília (UnB) e Pós-graduado em Direito Público pela Faculdade de Direito Prof. Damásio de Jesus. Foi Secretário de Educação e Cultura, e após, Turismo, em Cidade Ocidental. Trabalha na Universidade Estadual de Goiás (UEG). Teima discutir questões para uma nova Estética Civilizatória em nosso País.

 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp:  61 9 99611193.

 

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: