Em São Gabriel, Médicos Sem Fronteiras combate Covid-19 respeitando rituais indígenas

Pajés e kumua, conhecedores de cura e proteção, podem fazer tratamentos na estrutura montada pela organização humanitária; remédios tradicionais também são permitidos

Fruto do trabalho de articulação do Comitê Interinstitucional de Enfrentamento e Combate ao novo coronavírus em São Gabriel da Cachoeira (AM), a inauguração do Centro de Acolhimento para pacientes de Covid-19 dos Médicos Sem Fronteiras (MSF) é uma conquista para o município mais indígena do Brasil, no noroeste amazônico. Em 13 dias de funcionamento, a enfermaria fez 31 atendimentos e internou 10 pacientes, sendo oito indígenas das etnias Baré, Baniwa, Tukano e Desano.

O MSF tem experiência global com ações de emergência e em situações extremas. A organização humanitária chegou em maio a São Gabriel para atuar no atendimento a pacientes com Covid-19. Além de todo o conhecimento acumulado, trouxe na bagagem um outro elemento fundamental: o respeito à cultura local. Para que a enfermaria tivesse adesão entre a maioria indígena, o projeto ganhou adaptações levando em conta as características dos povos do Rio Negro.
Uma delas foi aceitar que pajés e kumua — como são chamados os conhecedores de cura e proteção — entrassem na unidade para contribuir com os tratamentos. Além disso, ficou estabelecido que remédios tradicionais, amplamente utilizados também no combate à Covid-19, pudessem ser receitados aos pacientes.

“Para nós, não é uma novidade adaptar projetos. Mas dessa forma é inédito”, explicou a gerente de comunicação do projeto em São Gabriel, Gabriela Romero. “Trata-se de uma estratégia de promoção à saúde: compreender como aquela comunidade entende a saúde. Acesso não é só infraestrutura e médico. É também diálogo e educação. A possibilidade de conversar leva à confiança para que procurem os serviços”, disse a representante do MSF.

Gabriela explicou que para a atuação do pajé são necessárias algumas adequações. O indígena deve usar os Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), por exemplo. “Vamos dar todo o apoio, buscando adaptações. Ritual com fumaça não é possível em área médica, mas pode acontecer na área externa da unidade”, afirmou. No caso dos remédios tradicionais, o cuidado é com o princípio ativo, já que não podem interferir com as demais medicações. Outro diferencial da unidade de saúde são as redes de dormir colocadas ao lado dos leitos, respeitando o costume local.

Para consolidar a relação de confiança e conseguir adesão ao tratamento, o centro do MSF também garante aos pacientes indígenas um acompanhante. Devido ao alto risco de contágio, quem fica com o paciente só tem autorização para sair no final do tratamento, sem revezamentos. Luíza Cegall, médica do MSF, ressaltou que o cuidado serve para evitar maior disseminação da doença. “Tivemos dificuldade de explicar para os acompanhantes, pois queriam se revezar dizendo que ‘agora entra meu marido, agora entra minha filha’. Não é bom, eles podem levar a doença sem querer”, sublinhou.

As adaptações aconteceram após levantamentos do MSF com profissionais de saúde e instituições locais. Se identificou que os indígenas tinham certa resistência ao ambiente hospitalar. O trabalho também contou com o apoio de uma antropóloga da equipe da organização humanitária. Além disso, para identificação das características da região, é mantido um diálogo com as instituições locais, como a Federação das Organizações Indígenas do Rio Negro (Foirn), Instituto Socioambiental (ISA), Distritos Sanitário Especial Indígena do Alto Rio Negro (Dsei-ARN) e Dsei Yanomami.

O MSF também atua como um assessor técnico do Comitê Interinstitucional, ajudando na tomada de decisões com base em conhecimento técnico e da área de saúde.

“Estávamos recebendo informações de pacientes que não queriam ir ao hospital e preferiam ficar em casa se tratando com medicamentos caseiros. Nessas situações, alguns acabam piorando e buscando ajuda médica quando a doença já está muito avançada. Então, identificamos a necessidade de adaptar o ambiente, o tratamento e dar mais acolhimento aos pacientes indígenas”, comentou a assessora do Programa Rio Negro do ISA, Juliana Radler, que representa a organização no comitê e acompanhou a implantação do centro desde a visita inicial do médico Paulo Reis, do MSF, em maio.

Parceria plural

Quando a organização chegou a São Gabriel, a médica Cecília Hirata Terra, então coordenadora da ação do MSF de enfrentamento ao novo coronavírus no Amazonas, apresentou o projeto de uma enfermaria ao comitê. A prefeitura ofereceu apoio, cedendo o espaço na área central da cidade, antes ocupado pela Secretaria Municipal de Educação.

“A parceria com o comitê,as instituições e os órgãos de saúde foi muito boa. Trata-se de um trabalho conjunto. O nosso objetivo é evitar a sobrecarga do sistema de saúde pela Covid”, informou o coordenador do projeto do MSF em São Gabriel, Luca Di Simeis, que também enfrentou a pandemia na Itália.

“Essa parceria é muito importante porque é mais uma alternativa no enfrentamento ao Covid-19 no nosso município. Com isso, conseguimos ampliar a oferta de atendimento aos pacientes acometidos pela doença. Isso também fez com que a gente pudesse estabilizar o sistema local de saúde e evitar o colapso”, disse o secretário municipal de Saúde de São Gabriel da Cachoeira, Fábio Sampaio.

Com atendimento exclusivo a casos leves e moderados da Covid-19, a enfermaria presta serviços à população em geral, indígena e não indígena, acima de 18 anos. Podem ser atendidos os moradores da cidade e das comunidades. O ideal é que o paciente apresente um documento de identificação e um número de telefone, mas será recebido mesmo que não tenha nenhum deles.

Ao entrar na unidade, o que se vê é uma estrutura simples. Os quartos são amplos, com leitos, redes, concentrador e cilindro de oxigênio — primordial no tratamento da Covid-19. Mas a experiência no enfrentamento a outras epidemias — como do ebola, em países da África — é visível. Dentro da unidade foram criados circuitos. No chão, há fitas nas cores verde, amarela e vermelha, indicando onde pessoas podem ou não transitar e como fazer isso de forma segura. Para entrar na área vermelha, por exemplo, é necessário usar todo o EPIs.

Nos corredores há cartazes orientando uso de EPIs e limpeza das mãos, entre outras recomendações sanitárias. “Quanto mais arejado, aberto e ventilado, mais seguro”, disse a médica Luíza Cegalla.

Atualmente a estrutura conta com dez leitos, sendo que o número pode chegar a 30. A equipe em São Gabriel é composta por 36 pessoas, entre médicos, enfermeiros, psicólogos, entre outros. Como a pandemia traz impactos também para o emocional, é oferecido atendimento psicológico na unidade, com entrada independente para evitar contágio. O serviço está voltado principalmente a pacientes, familiares e profissionais da saúde. Segundo relatos, alguns pacientes que tiveram Covid-19 se curaram, mas continuam em estado de tensão devido à doença.

Fonte: ISA

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611193

Comentários

%d blogueiros gostam disto: