Omissão criminosa do governo expõe povos indígenas à pandemia

No último levantamento feito pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib), divulgado na sexta-feira (8), 55 indígenas morreram e 223 estão com testes confirmados. 30 povos foram atingidos nas regiões Norte, Nordeste, Sul e Sudeste.

Os países ao Sul já identificaram o Brasil como polo irradiador da pandemia, responsabilizando a atuação irresponsável do governo e seu presidente. No outro extremo, o principal foco da pandemia na América do Sul está sendo acusado de “exportar” o coronavírus para o interior da Amazônia, ameaçando os povos indígenas da região.

A partir do Brasil, na fronteira da Tríplice Fronteira, um corredor de contágio avança sobre as populações mais pobres e as comunidades indígenas. A Tríplice Fronteira é formada por Tabatinga no Brasil, Letícia na Colômbia e Santa Rosa no Peru.

Nesta sexta-feira (8), a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (APIB) lançou a Assembléia Nacional de Resistência Indígena para construir um plano de enfrentamento à pandemia.

“A cada dia perdemos mais vidas indígenas para Covid-19. É alarmante a omissão do Governo Federal na garantia de proteção dos povos”, denunciam. O que acontece com os Kokama, no Amazonas, segundo eles, “é retrato dessa violência”. “É fundamental denunciarmos o descaso criminoso do governo federal e dar visibilidade ao que está acontecendo com os povos durante a pandemia do novo coronavírus”, alertam.

“Não são números, são vidas”

De acordo com a APIB, “em quatro dias dobraram as mortes entre os nossos parentes pelo novo coronavírus” – entre 3 e 7 de maio, o número de óbitos subiu de 9 para 22. O povo Kokama teve o primeiro caso registrado de Covid-19 entre indígenas no Brasil, no dia 25 de março, demonstrando o alto grau de letalidade da doença em um único povo.

De acordo com dados da Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), no Amazonas, os casos de mortes entre o povo Kokama aconteceram nos municípios de Tabatinga, Benjamin Constant, Santo Antônio do Içá, Itacoatiara, Autazes e Manaus. Além do povo Kokama, o Amazonas possui 43 indígenas mortos por Covid-19 de nove povos diferentes.

No último levantamento feito pela Apib, ontem (7), 55 indígenas morreram e 223 estão com testes confirmados, atingindo 30 povos nas regiões Norte, Nordeste, Sul e Sudeste. Para se ter uma noção da subnotificação, adverte a APIB, a Sesai contabiliza no mesmo período 14 mortes e 176 casos de indígenas contaminados.

“Não são números, são vidas”, dizem as lideranças indígenas. Junto com as organizações de base, a APIB está realizando um levantamento de informações sobre casos de Covid-19 entre povos indígenas, sobretudo de casos subnotificados e não acompanhados pela Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai).

Na semana passada, artistas e intelectuais mundiais, liderados por Sebastião Salgado, denunciaram a exposição dos povos indígenas à pandemia exigindo uma mobilização internacional para evitar um genocídio na região amazônica.

Da Redação – Fonte: Notícias do PT

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: