Bolsonaro causará desespero vetando auxílio de R$ 600

Caso o Congresso aprove um benefício maior do que os R$ 300 e Bolsonaro vete a medida, é possível que essa decisão seja derrubada por deputados e senadores, que têm a palavra final.

Por Orlando Silva

Para “não quebrar o Brasil”, o governo de Jair Bolsonaro decidiu que as parcelas extras do auxílio emergencial pagas aos brasileiros durante a pandemia do coronavírus terão serão valor reduzido pela metade, ou seja, sairá de R$ 600 para R$ 300. Em sua live semanal, nesta quinta-feira (11), Bolsonaro afirmou ainda que vetará qualquer tentativa do Congresso de aumentar o valor.

“Na Câmara, por exemplo, vamos supor que chegue uma proposta de duas [parcelas] de R$ 300. Se a Câmara quiser passar para R$ 400, R$ 500, ou voltar para R$ 600, qual vai ser a decisão minha? Para que o Brasil não quebre? Se pagar mais duas de R$ 600, vamos ter uma dívida cada vez mais impagável. É o veto”, afirmou Bolsonaro.

Para o deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), ao cortar o auxílio emergencial “Bolsonaro irá levar fome e desespero a milhões de brasileiros”. “Bolsonaro é desumano. O Covard 17 é pior do que o Covid-19”, acrescentou em seu Twitter.

Caso o Congresso aprove um benefício maior do que os R$ 300 e Bolsonaro vete a medida, é possível que essa decisão seja derrubada por deputados e senadores, que têm a palavra final. Para isso, é preciso o apoio de pelo menos metade delas em uma sessão conjunta da Câmara e do Senado.

Fonte: Portal PCdoB via Vermelho.org.br 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611193

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: