fbpx

Vanuzia Costa Santos, da etnia Kaimbé, a primeira indígena vacinada contra Covid-19 no Brasil

Por Mônica Nunes

“Sinto esperança e gratidão”, diz Vanuzia Costa Santos, da etnia Kaimbé, a primeira indígena vacinada contra Covid-19 no Brasil. 

 

Assim que a Anvisa autorizou o uso emergencial de duas vacinas – a CoronaVac, da Sinovac e do Instituto Butantan, e a Oxford-AstraZeneca, produzida pela Fiocruz – em todo o país, em decisão transmitida ontem, 17/1, pela TV ao vivo, 112 profissionais de saúde já aguardavam o início da vacinação no Hospital das Clínicas, em São Paulo.

A enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, foi a primeira pessoa a receber a vacina, como contamos aqui. Foi emocionante vê-la recebendo a primeira dose do imunizante e, em seguida, exibindo o comprovante.

Entre os brasileiros selecionados para fazer parte dos registros deste dia histórico, também estava a técnica de enfermagem e assistente social Vanuzia Costa Santos, de 50 anos, indígena integrante da etnia Kaimbé, originária da Bahia, que mora em Guarulhos, São Paulo.

Tornou-se, assim, a primeira indígena a se vacinar contra a Covid-19.

Vanuzia perdeu dois primos para a doença e, na aldeia multiétnica Filhos da Terra, onde mora, no bairro do Cabuçú, sete indigenas foram contaminados: ela entre eles.

Por isso, não escondeu sua alegria com a aprovação das vacinas e estar entre os selecionados para o início da campanha no estado. E aproveitou a oportunidade para enfatizar que espera que os parentes desconfiados deixem suas suspeitas de lado e adiram à vacinação.

““A vacina salva vidas. É a única garantia da nossa existência. Desde 1500, nosso povo foi quase dizimado. Nós éramos 1.300 povos indígenas no Brasil, hoje nós somos apenas 305. Se nós não nos vacinarmos, nós vamos desaparecer. Eu estou aqui em defesa da minha vida, da minha família, do meu povo e da humanidade. Estou me sentindo hoje com esperança. Esperança de dias melhores, esperança de vida. A palavra, hoje, é essa. E é também gratidão. Gratidão à Ciência e aos educadores”, declarou em entrevista para a Globo News.

Anúncios

E completou:

“Quero dizer para os meus parentes: ‘vamos nos vacinar!’. Vacinar é um ato de amor, de esperança. Eu sou um exemplo. Sou indígena, uma mulher de fé, sou uma pessoa que preserva os ensinamentos do meu povo, a minha ciência, a minha ancestralidade, minha crença. Mas sei que só a minha crença e a minha ancestralidade não são suficientes para combater este vírus, que é um inimigo feroz que destrói vidas em questão de minutos ou segundos”.

Desconfiança e apelo

Vanuzia contou que, no sábado passado, véspera da votação da Anvisa, esteve em reunião com os membros do conselho que lidera “junto com o cacique Alex” e ouviu parentes dizerem que não vão se vacinar porque estão desconfiados.

“Eles acreditam que os indígenas são os primeiros porque a vacina é para nos matar”. E reforçou seu apelo, dizendo: “Se você não se vacinar vai perder a sua vida e a do seu parente!”.

Ainda jovem, Vanuzia decidiu sair de Massacará, na cidade de Euclides da Cunha, Bahia, onde nasceu, para estudar, lutar pelos direitos dos povos indígenas e, um dia, poder retornar à sua aldeia para cuidar de seus povo. Em Massacará vivem cerca de 200 famílias Kaimbé. Em São Paulo, são mais 180.

Anúncios

Campanha paulista

Os primeiros grupos considerados prioritários na campanha paulista são os profissionais de saúde e os indígenas e a vacinação oficial deve ser iniciada a partir de 25 de janeiro nos posto de vacinação. Ontem, o governo de São Paulo lançou o site Vacina Já para que as pessoas de todos os grupos prioritários que receberão a primeira dose da vacinação da Covid-19 – incluindo os indígenas – façam um pré-cadastro.

De acordo com comunicado da secretaria estadual de saúde, não se trata de agendamento, mas de uma forma de agilizar o atendimento nos locais de vacinação, evitando aglomerações. Quem aderir, deve informar o número do CPF, endereço, data de nascimento e município onde mora.

“O fornecimento das informações é opcional, mas a participação de cada um vai ajudar toda a sociedade. Quem não conseguir fazer o pré-cadastro não precisa se preocupar, pois a vacinação também será feita sem ele. Neste caso, será necessário fazer o cadastro completo no local de vacinação”.

Os endereços dos postos de vacinação estão indicados no mesmo site.

Fontes: Via Conexão Planeta e Apib, Globo News, UOL, Folha de São Paulo

Anúncios

Jornalista com experiência em revistas e internet, escreveu sobre moda, luxo, saúde, educação financeira e sustentabilidade. Trabalhou durante 14 anos na Editora Abril. Foi editora na revista Claudia, no site feminino Paralela, e colaborou com Você S.A. e Capricho. Por oito anos, dirigiu o premiado site Planeta Sustentável, da mesma editora, considerado

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. É, também, com um percentual dessas vendas, que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, do povo Krenak, em Minas Gerais, do Museu Kalunga Iaiá Procópia, em Goiás e do povo Xavante, no Mato Grosso. Ao comprar em nossa Loja Xapuri, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Contamos com você! WhatsApp: 61 9 99611193.

Anúncios