Covid-19: Davi Seremramiwe Xavante, primeira criança vacinada no Brasil
 
Por Deputada Professora Rosa Neide 
 
Finalmente a vacinação começa a chegar nos braços dos brasileirinhos.
 
O Davi, de 8 anos, indígena xavante, foi a primeira criança a receber a dose de vacina no Brasil, em São Paulo.
 
Vamos à luta para que todas as crianças sejam imunizadas.” ✊🏽👏🏽
 
Foto @g1
Vacina já !
Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


O cacique Jurandir Seremramiwe, da etnia Xavante, acompanha online a vacinação do filho Davi, de 8 anos, em São Paulo. — Foto: Reprodução/TV Globo

O cacique Jurandir Seremramiwe, da etnia Xavante, acompanha online a vacinação do filho Davi, de 8 anos, em São Paulo. — Foto: Reprodução/TV Globo

Por g1 SP — São Paulo

Pai do menino indígena Davi Xavante, de 8 anos, que foi a primeira criança vacinada contra a Covid-19 no Brasil nesta sexta-feira (14), o cacique Jurandir Seremramiwe se disse muito feliz pelo início da imunização infantil no país e espera que o filho dele seja exemplo para outras etnias indígenas, para que incentivem a imunização dos curumins.

“Estou muito feliz de ser pai do Davi. Tomar a primeira dose é exemplo para todas as crianças de 5 a 11 anos. Que o resto do Brasil também possa vacinar, fazer essa campanha para salvar e para que, amanhã, tenhamos alegria e sorrisos. O meu filho Davi Xavante ser o primeiro a tomar [a vacina] é exemplo para os demais povos indígenas tomem. Que o Ministério da Saúde honre e se atualize, para que tenhamos prioridade para nossa criançada”, declarou.

“A saúde em primeiro lugar. Vacina é importante, e que nós tenhamos no futuro a criançada do Brasil 100% vacinada. Estou muito encantado”, completou.

Indígena de 8 anos é a primeira criança a receber dose de vacina infantil contra Covid-19 em SP
 
O pequeno Davi Seremramiwe Xavante foi imunizado por volta das 12h desta sexta-feira (14) em um evento simbólico organizado pelo governo de São Paulo, no Hospital das Clínicas, para inaugurar a vacinação de crianças de 5 a 11 anos. O pai do menino participou da cerimônia de forma virtual, direto da aldeia Xavante de Mato Grosso, onde a família Seremramiwe vive.

Davi é morador de Piracicaba, no interior de São Paulo, mas está na capital paulista para realizar um tratamento médico, acompanhado do tutora Fernanda Viegas Reichardt, que é pesquisadora. O governador João Doria (PSDB) acompanhou o ato no Hospital das Clínicas, na Zona Oeste da capital.

Davi Seremramiwe Xavante, de 8 anos, da tribo Xavante, primeira criança a receber a primeira dose da vacina contra Covid-19 no Brasil. — Foto: ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

Davi Seremramiwe Xavante, de 8 anos, da tribo Xavante, primeira criança a receber a primeira dose da vacina contra Covid-19 no Brasil. — Foto: ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Evento simbólico

A imunização simbólica realizada nesta sexta (14) e destinada a um pequeno grupo de crianças repete o modelo da primeira vacinação contra a Covid no país, quando a enfermeira Mônica Calazans, de 54 anos, se tornou a primeira pessoa a receber a dose no Brasil.

Além de Davi, outras crianças foram vacinadas no evento inaugural, como Gianlucca Trevellin, de 9 anos, que tem atrofia muscular espinhal do tipo 1, Valentina Moreira, de 6 anos, e Caio Emanuel Oliveira, de 10 anos, que realizaram ou estão na fila por transplante de rim, e Isabela, de 9 anos, que tem fibrose cística.

 
Gianlucca Trevellin, que possui atrofia muscular, é vacinado contra a Covid-19 nesta sexta (14)  — Foto: BRUNO ROCHA/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

Gianlucca Trevellin, que possui atrofia muscular, é vacinado contra a Covid-19 nesta sexta (14) — Foto: BRUNO ROCHA/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO

Graziely de Oliveira, de 8 anos, Leonardo Martinez, de 5 anos, Marcelo Gabriel Moreira, de 10 anos, e Cauê Henrique dos Santos, de 11 anos, que possuem síndrome de Down, também receberam a vacinação durante o evento simbólico. Além de Luiz Felipe Barboza, de 11 anos, que é quilombola.

As vacinas foram aplicadas pela enfermeira Jéssica Pires de Camargo, que também vacinou Mônica Calazans no evento que inaugurou a imunização contra Covid no país.

Lorena Cordeiro, de 7 anos, tem Síndrome de Down — Foto: Reprodução/TV Globo

Lorena Cordeiro, de 7 anos, tem Síndrome de Down — Foto: Reprodução/TV Globo

Vacinação infantil

Enfermeira prepara dose de vacina infantil contra a Covid-19 em evento no Hospital das Clínicas, em São Paulo, nesta sexta (14) — Foto: Reprodução/TV Globo

Enfermeira prepara dose de vacina infantil contra a Covid-19 em evento no Hospital das Clínicas, em São Paulo, nesta sexta (14) — Foto: Reprodução/TV Globo

De acordo com a gestão estadual, a capacidade de vacinação do estado é de 250 mil crianças por dia, podendo este número ser até superior, de acordo com a demanda das famílias paulistas.

O pré-cadastro para vacinação desse público foi liberado na quarta (12). Os pais podem acessar o site do governo paulista (www.vacinaja.sp.gov.br) para inserir os dados da criança e agilizar o atendimento nos postos de saúde do estado.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Em dezembro, a gestão estadual divulgou as imagens da carteirinha de vacinação contra Covid-19 que será usada durante a campanha de imunização de crianças de 5 a 11 anos no estado.

Com o topo amarelo e a hashtag #Vacinajá em letras coloridas, a carteirinha é similar à que é usada no estado para a imunização de adultos e adolescentes.

Carteirinha de vacinação contra a Covid-19 infantil no estado de São Paulo — Foto: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo

Carteirinha de vacinação contra a Covid-19 infantil no estado de São Paulo — Foto: Divulgação/Governo do Estado de São Paulo 

 
Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]