Cidades do Piauí, Bahia e Minas Gerais são campeãs em desmatamento

Este é um ranking vergonhoso, que só pode ser lamentado. Na lista dos dez municípios brasileiros que mais desmataram a Mata Atlântica no período entre 2013 e 2014, os cinco primeiros estão localizados nos estados do Piauí e da Bahia. São eles: Eliseu Martins (PI), no topo do ranking – com 4.287 hectares de vegetação derrubada -, seguido por Baianópolis, Brejolândia e Canto do Buriti (todos na BA) e em 5º lugar, Pavussu (PI). Outros quatro municípios mineiros estão nas colocações logo abaixo: Jaíba, Araçuaí, Ponto do Volantes e Águas Vermelhas.

O levantamento do Atlas dos Municípios da Mata Atlântica foi divulgado pela Fundação SOS Mata Atlântica e o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), em Brasília.

Através de imagens obtidas com satélites, o atlas fez um balanço da situação de 3.429 municípios do país, abrangidos pela Lei da Mata Atlântica (que regulamenta a conservação, proteção, regeneração e utilização do bioma e detalha ainda  como e onde pode haver intervenção ou uso sustentável da vegetação nativa). “A lei é importante para desenvolver políticas de meio ambiente localizadas, pois é uma legislação que pactua com a própria comunidade local e a sociedade, diferentemente das demais do país”, acredita Mario Mantovani, diretor de Políticas Públicas da SOS Mata Atlântica.

Além do levantamento ano a ano, o estudo acompanha também o índice do desmatamento na última década (2000-2014). Segundo este indicador, as cidades mineiras de Jequitinhonha e Águas Vermelhas foram as que mais desmataram neste período. A primeira perdeu nada menos que 8.700 hectares de vegetação.

Mas nem tudo é má notícia no documento elaborado pela SOS Mata Atlântica e o Inpe. Os mesmos Piauí e Minas Gerais, que estão entre os grandes desmatadores, aparecem também ao lado de Santa Catarina como tendo municípios que mais conservaram a Mata Atlântica. Nas primeiras três posições destacam-se Tamboril do Piauí e Guaribas (PI), ambos com 96% de vegetação natural – que inclui, além das florestas nativas, os refúgios, várzeas, campos de altitude, mangues, restingas e dunas – , e Bom Jardim da Serra (SC).

“Foram anos de trabalho para que pudéssemos consolidar uma base temática (mapa) que permite atualizações anuais consistentes. A possibilidade de o cidadão comum poder acompanhar a dinâmica da cobertura florestal do município onde reside é, sem dúvida, a materialização de uma intenção que tivemos no passado”, afirma Flávio Jorge Ponzoni, pesquisador e coordenador técnico do estudo pelo INPE.

Entre as capitais brasileiras, Porto Alegre, Florianópolis, Recife, Teresina e Rio de Janeiro foram apontadas como as que mais conservaram sua vegetação natural.

Fonte: Conexão Planeta

Jornalista, já passou por rádio, TV, revista e internet. Foi editora de jornalismo da Rede Globo, em Curitiba, onde trabalhou durante seis anos. Entre 2007 e 2011, morou em Zurique, na Suíça, de onde colaborou para diversas publicações brasileiras, entre elas, Exame, Claudia, Elle, Info, Superinteressante e Planeta Sustentável. Desde 2008 , escreve sobre temas como mudanças climáticas, energias renováveis e meio ambiente. Atualmente vive em Londres.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária. Encomenas via Whatsapp com Janaina: 61 9 9611 6826. Camiseta Krenak

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.