fbpx

Da Perfeição à Loucura 2

Ele já havia conquistado aquele território, o colonizava, não poderia permitir que ninguém mais se aproximasse, para isso precisava torná-lo desinteressante para qualquer novo conquistador que desejasse aquela terra…

Por Giselle Mathias

Não a via como humana, apenas como sua propriedade e como tal não poderia despertar o desejo de outrem, tinha que se esconder, se recolher, se anular, tornar-se indesejável.

Nunca entendi esse tipo de pensamento, sempre me foi estranho culpar uma pessoa pelo desejo de outrem, mas parece que essa é a lógica masculina, não só na sociedade ocidental. A mulher precisa se esconder, ter um comportamento recatado e negar suas vontades, porque pode despertar o desejo do homem, o qual não é responsável por suas reações e impulsos, pois foi instigado e seduzido por uma fêmea, que vestia uma roupa curta, que sorria em uma conversa, que olhava e ouvia com atenção, que mexia no cabelo ou dançava alegremente ao som de sua música preferida.

Entendo que os sentimentos, desejos e sonhos pertencem a cada humano, mas quando percebemos que o outro desenvolve um sentimento que não é correspondido seja parcialmente ou na integralidade cabe a nós sermos honestos e agirmos com ética para que nada seja interpretado ou ampliado em ilusões. Não me sinto responsável pelo desejo do outro, mas me sinto obrigada a não permitir que se iludam ou fantasiem algo que não acontecerá. Simplesmente sou, não para seduzir ou conquistar, sou humana, verdadeiramente e simplesmente humana.

Acredito na união pelo afeto, assim me uni e me vejo unida, seja nas amizades, na família, no trabalho, nos amores e diante de qualquer ser humano. Não preciso corresponder ao desejo do outro e nem ele deve corresponder aos meus, cabe a mim respeitar e compreender. Quando ouvi a história da Filósofa o incomodo não foi somente pelo fim trágico, mas por ter percebido que assim como ela cedi ao modelo imposto de comportamento adequado para uma mulher comprometida e o quanto, apesar de todas as demonstrações, o que sentia pelo meu ex-marido foi desconsiderado, mesmo quando também cumpri o padrão de me apagar, de não olhar para o lado, de me isolar e anular com a crença que apenas assim ele se sentiria seguro do amor que nutria por ele. Deixei de ser quem sou para provar um amor, o qual jamais foi reconhecido, porque simplesmente sua preocupação não era viver o amor que tínhamos um pelo outro; sua insegurança e medo em perder o território conquistado me impôs o recolhimento, a anulação e para isso eu precisava ser apagada, invisibilizada e por isso era hostilizada, o mecanismo utilizado por ele para o encarceramento, pois não seria nada, nem ninguém, sem que estivesse ao seu lado.

Assim como eu e muitas mulheres a Filósofa cedeu ao conceito imposto, parou de usar as roupas que gostava – porque para o Delegado eram insinuantes – mal conversava ou dirigia palavras às pessoas, se afastou dos amigos, pois para ele os homens que se aproximavam dela a desejavam. Ela foi se apagando e isolando, vivendo em função e para aquele homem, com o único objetivo de provar o que sentia por ele e lhe dar a segurança exigida. Porém, nada disso servia, porque ela se desconectava de si mesma, acordava e se imaginava vivendo em um mundo paralelo, sentia-se vazia e começava a crer que a loucura seria o seu fim, pois cada vez que tentava conversar sobre como se sentia, ouvia dele que estava ficando louca.

Toda a sua perfeição do início da relação agora tinha virado loucura, e nada que fizesse ou demonstrasse não alterava a forma como tudo havia sido construído. A decisão que tomara era o seu resgate, a sua alma e o seu ser, por isso comunicou ao Delegado que não manteria aquele romance, que precisava do fim, precisava de si mesma. Assim, ela findou aquilo que a estava torturando e a forçando a inexistência.

Inconformado o Delegado passou a persegui-la. A seguia, implorava pelo retorno; apesar de não gostar das redes sociais passou a usá-las para tentar se comunicar com ela. Todo aquele processo a deixava estressada, mas muitos diziam que era porque ele a amava, que com o tempo mudaria, afinal era o que ele lhe prometia; assim ela voltava para aquela relação acreditando que em algum momento tudo melhoraria e ele voltaria a enxergá-la como no período da conquista.

Mas ele jamais deixou de vê-la como propriedade, nunca entendeu o amor e desejo dela por ele e mesmo que fosse desejada por outrem isso não lhe dizia respeito, porque não havia sido instigado ou provocado por ela, pertencia única e exclusivamente ao outro. O problema do conquistador é crer somente em si e em um valor atribuído por ele mesmo, desconsidera o sentimento do outro, acredita que o amor vem de uma mera manipulação de palavras e gestos, não percebe que despreza a si próprio, pois não enxerga que pode ser, simplesmente, amado. Essa para mim é a maior contradição do conquistador: o imenso desejo em ser amado – mas não perceber o quanto é amado – e por isso destrói o que se apresenta como humano e verdadeiro, sufoca e aprisiona imaginando que o outro será só seu, sem permitir que a pessoa seja plena de si, mas ao contrário, apenas um pássaro aprisionado em uma gaiola. 

Depois de tantas idas e vindas e após ele não compreender o que é o sentimento amoroso, ela não mais suportou e decidiu que não haveria mais retorno; não abriria mão de si, já que não era possível a ele enxergar o que ela sentia, e que era esse afeto que a mantinha ao seu lado – preferia estar só. O fim definitivamente chegara!


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Camisetas


Banners II - camisetas
Banners camisetas

Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?


capa da revista 76
REVISTA 80
Xapuri 79 web
revista_xapuri78_capa
Capa X77
previous arrow
next arrow

Anúncios