https://youtu.be/FOWAQhkxe48

Chegança (Antônio Nóbrega / Wilson Freire)

 

Sou pataxó,
Sou xavante e cariri,
Ianonami, sou tupi
Guarani, sou carajá.
Sou pancaruru,
Carijó, tupinajé,
Potiguar, sou caeté,
Ful-ni-o, tupinambá.



Depois que os mares dividiram os continetes
Quis ver terras diferentes.
Eu pensei: “vou procurar
Um mundo novo,
Lá depois do horizonte,
Levo a rede balançante
Pra no sol me espreguiçar”.


Eu ataquei
Num porto muito seguro,
Céu azul, paz e ar puro…
Botei as pernas pro ar.
Logo sonhei
Que estava no paraíso,
Onde nem era preciso
Dormir para se sonhar.

Mas de repente
Me acordei com a surpresa:
Uma esquadra portuguesa
Veio na praia atracar.
Da grande-nau,
Um branco de barba escura,
Vestindo uma armadura
Me apontou pra me pegar.

E assustado
Dei um pulo da rede,
Pressenti a fome, a sede,
Eu pensei: “vão me acabar”.
Me levantei de borduna já na mão.
Ai, senti no coração,
O brasil vai começar. 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: