Por Iêda Vilas-Bôas

“O Som da Viola em mim é um som de amor. (…) A Viola pra mim, o Som da Viola foi isso: o amor que eu tive por ela, e aprendi a gostar da viola. Inclusive o Som da Viola vem mais quando a pessoa tá muito alegre, muito satisfeita. Ele lembra logo da Viola porque o som dela ajuda ele a ficar mais alegre, mais satisfeito, abrir mais o coração. Agora quando é na tristeza, não lembra. Quando, na tristeza, você lembra assim, depois de uns tempo passado, você vai disfarçá por ela. Mas no momento, som nenhum não serve. E aí, no caso, a Viola vai ajudar a pessoa a recuperar”.
— Badia Medeiros

Olhar sereno, fala mansa de bom mineiro, olhos pequenos, míopes e um pouco cansados da labuta entre dós, lás, sóis… Foram muitos sóis que Seo Badia viu nascer nessa vida: 78 ao todo. Agora sons, não há como contar. Tinha uma viola pendurada na ripa do telhado da velha casa de seu pai. Sua idade era pouca, apenas 9 anos, mas… a viola lhe chamava, o queria e esse amor era recíproco.

Entretanto, sem tradição de música na família e com o arrocho dos trabalhos roceiros ficou lá até que o menino Badia tomou coragem e pediu permissão para resgatar a viola e, primeiro aprendeu a afiná-la, com o compadre João de seu pai. Badia, intuitivamente já sabia tocar, reconhecia e embaralhava as notas musicais com maestria. Aperfeiçoou seu dom foi, como se diz por aqui, de ouvido, ouvindo as tocadas e tiradas de outros violeiros.

Pronto. A dupla estava formada era Seo Badia e a viola e a viola e Seu Badia. Os sons, os tons, os ritmos saíram todos. Alcançaram as Festas de Folia, especialmente a Folia do Divino, do qual era devoto, atravessou Minas e veio para Goiás e daqui se espalhou como legítima representação da cultura cerratense para os diversos rincões do Brasil que aprecia a boa música de raiz e um bom trinado de viola.

Seo Badia sempre esteve ligado às manifestações populares de cultura. Foi Capitão de Folia, tocador de viola e violão e dançador de Catira e Lundu. Tocava também uma Sanfoninha de Oito Baixos conhecida por “Pé-de-Bode”.

Foto: Correio Braziliense

Badia Alves Medeiros nasceu na Fazenda Galho em Unaí-MG, no ano da graça de 1940. E nos deixou no dia cinzento de ontem, 03/11/2018. Fica com seus amigos, seus alunos, seus fãs uma profunda tristeza, mas com certeza será recebido no céu por uma orquestra sinfônica de violeiros-mestres, como ele.

Viveu uma vida singela, vendendo, de bicicleta, os doces que Dona Cesária fazia, com quem foi casado por 53 anos e depois passou a consertar instrumentos e nos momentos de glória nos prestigiava com o encanto de sua voz meiga e do estrondo espetacular de sua viola.

Apresentou-se muito por esse Brasil afora e foi bem reconhecido nos espaços culturais e musicais. Com sua Viola, Badia – Medeiros levou a Música Caipira a diversos cantos do Brasil. Ganhou o Prêmio Renato Russo no ano de 1998. Registrou algumas de suas Músicas, em 1999, no CD Sertão Ponteado – Memórias Musicais do Entorno do DF – Distrito Federal. Em 2001, Badia Medeiros participou do álbum de 10 CD’s intitulado Cartografia Musical Brasileira, interpretando “Recordação do Passado” (Badia Medeiros). Nestes CD’s participaram também importantes nomes da música brasileira.

Em 2002, expandiu sua fama ao se apresentar com os célebres Violeiros Paulo Freire e Roberto Corrêa, no show “Violas do Brasil”. O espetáculo foi mostrado em 36 cidades e oito estados brasileiros. Dessa turnê, surgiu o CD “Esbrangente”- expressão criada pelo próprio Badia e que significava que algo era além de abrangente, Badia Medeiros também era Mestre na criação de palavras que simbolizavam seus sentimentos, era um neologista. Em 2003, Seo Badia se apresentou no Teatro Nacional de Brasília, juntamente com Roberto Corrêa no show “Violas do Sertão”.

E, em 2004, Badia Medeiros gravou o seu primeiro CD solo, intitulado “Badia Medeiros – Um Mestre do Sertão”.
Daí para frente, muitos shows, muita música, muita prosa boa que só quem ouviu e viu de perto vai poder guardar em lugar recôndito da memória.

Salve, Seo Badia Medeiros!

Fotos: Acervo Iêda Vilas-Bôas

 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Comentários

%d blogueiros gostam disto: