Juraildes da Cruz: um Presente

PRESENTE mesmo é ler, ouvir e sentir os versos deste compositor e cantador. Juraildes escreve com singular leveza que parece mansidão de folha descendo o rio. Basta nos aprofundarmos um pouquinho de nada para vermos a complexidade em que esse ser tão simples nos apresenta: “Eu canto pra regar a raiz da minha existência! Ora fel, ora florida”. 

Por Juraildes da Cruz

Eu escrevo

Eu componho

Não é pra ser modelo

Não sou perfeito pra ser espelho

Eu escrevo é pra que meu ser vá além dos meus ouvidos,

da minha boca, dos meus cotovelos

Eu escrevo, eu componho

É pra não deixar esquecido pelo caminho

SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO

aquilo que aflora minha realidade, meu sonho

É um exercício de memoria

Não é pra ser artista

E nem pra me incluir no mosaico da historia

Eu canto pra regar a raiz da minha existência!

Ora fel, ora florida

Eu canto mesmo não sendo o meu forte

Eu canto pra ser grato à sorte

E poder levantar a mão e dizer presente!

Na sala de aula da vida.

SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO

 

Juraildes da Cruz:

O cantor e compositor Juraildes da Cruz nasceu em Aurora do Norte (Goiás, hoje estado do Tocantins), um lugar que ele considerava um verdadeiro paraíso. Cresceu ouvindo folias de reis, cantigas de roda, catiras, Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro. Aos nove anos mudou-se para Goiânia, onde aprendeu a tocar violão com o seu vizinho. Estudou violão clássico, ouviu muito a “Jovem Guarda”, MPB e Rock dos anos 70. Seu trabalho é híbrido disso.

Iniciou sua carreira artística em 1976, quando participou do GREMI – Grandes Revelações da Mocidade Inhumense, um festival de arte que aconteceu na cidade de Inhumas, Goiás, onde foi classificado em primeiro lugar.

Participou de mais de cem festivais de música, com destaque para o Festival Tupi, de 1979, onde se apresentou com Genésio Tocantins, ao lado de artistas como Caetano Veloso, Elba Ramalho, Zé Ramalho, Osvaldo Montenegro, Fagner, Alceu Valença, Jackson do Pandeiro e outros. Em 1992, foi classificado no MPB SHELL.

Gravou seu primeiro disco, Cheiro de Terra, em 1990, contando com a participação de grandes nomes como Chiquinho do Acordeon, Sebastião Tapajós, Paulo Moura, Jaques Morelenbaum, Fernando Carvalho, Nilson Chaves, Mingo e Xangai. Suas composições já foram gravadas por Pena Branca e Xavantinho, Xangai, Rolando Boldrin e Margareth Menezes, entre outros.

Em 1994, Pena Branca e Xavantinho gravaram a composição de Juraildes “Memória de Carreiro”, que abre o CD Uma Dupla Brasileira. Participou, ainda, do CD gravado ao vivo Canto Cerrado, no qual interpretou “Nóis é Jeca Mais é Jóia”. Cantou também com Xangai o forró “Fuzuê na Taboca” no CD Eugênio Avelino – Lua Cheia, Lua Nova.

Em 1998, ganhou o Prêmio SHARP, atualmente chamado “Prêmio da Música Brasileira, com a música “Nóis é Jeca, Mais é Jóia”, na categoria de melhor música regional.

Participou do Projeto Pixinguinha, fazendo apresentações em oito capitais brasileiras, com gravação de DVD.

Em 2000, foi classificado no concurso do Projeto Rumos Musicais, do Banco Itaú para fazer o mapeamento cultural do país, com gravação de DVD, representando o Centro-Oeste.

Em 2005, foi indicado para o Prêmio TIM (categoria regional), com o CD Nóis é Jeca, Mais é Jóia.

Participou do Acordes Brasileiros – primeiro encontro Nacional de músicas regionais do Brasil em Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO

A Pontifícia Universidade Católica de São Paulo publicou um artigo na revista Língua Portuguesa, fazendo um reconhecimento do seu trabalho na revista n° 39, no mês de janeiro de 2009.

Participou da trilha sonora da novela da Rede Globo, A Favorita, com a música “Memória de Carreiro”, na versão instrumental.

Participando pela terceira vez do Projeto Pixinguinha, em 2008, recebeu o prêmio para a gravação do CD Roda Gigante bem como realização de shows de lançamento em Goiás.

Prepara-se para o lançamento do DVD Meninos, com tema infantis e adultos, que contou com a participação de um coral infantil.

A partir de junho de 2010, abriu uma turnê, em Recife, juntamente com Xangai, que circulou pelo nordeste, onde foi mostrado o trabalho do CD que gravaram juntos, pela Kuarup, indicado ao Prêmio Tim em 2005.

Em 2010, foi indicado ao 21º Prêmio da Música Brasileira, sendo contemplado como o melhor cantor na categoria “voto popular”, juntamente com Daniela Mercury. ]

Na última eleição, compôs a música Maria essência de toda mulher, que embalou e agradou uma campanha em Formosa-Goiás.

Juraildes da Cruz é parceiro da Alaneg – Academia de Letras e Artes do Nordeste Goiano/RIDE e da Revista Xapuri.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. É, também, com um percentual dessas vendas, que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, do povo Krenak, em Minas Gerais, do Museu Kalunga Iaiá Procópia, em Goiás e do povo Xavante, no Mato Grosso. Ao comprar em nossa Loja Xapuri, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Contamos com você! WhatsApp: 61 9 99611193.

SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO