Tempos de quintais. Tempos distantes. Tempos felizes!

Tempos outros, tempos idos. Tempos de quintais, tempos que se foram e que se vão. Costumes que se perdem em meio à pressa da modernidade.

Ante a iminência do que não mais se anuncia, mas já se evidencia, o registro feito na obra do escritor-poeta-compositor goiano Antonio Victor ganha grande importância pelo que transmite de história, numa literatura de feição própria, que mescla a simplicidade do falar rural goiano ao conhecimento apurado da escrita em sua forma clássica.

Sobre isso, no prefácio do seu livro Ira Sagrada (Goiânia: Kelps, 2014), o escritor Bernardo Élis registrou: “Antonio Victor tem uma visão de mundo não muito corriqueira ou trivial e sabe no-la transmitir (…). Ao fixar o universo novelístico, roceiro ou urbano, aborda temas que não podem ser esquecidos…”.

No posfácio, Bariani Ortencio avalia: “Este Antonio Victor é um fenômeno na nossa literatura. Poético, psicólogo, filósofo sertanejo, metafórico, diálogos na fala erudita e na coloquial, altamente descritivo com vocabulário adequado, mestre em aplicar o suspense. Não é um simples contador de “causos”, mas contista com linguagem saborosa…”.

TEMPOS DE QUINTAIS

O pilão de arroz e paçoca ao pé da parede da velha casa. Bananeiras no quintal e, mais ao fundo, touceiras de cana-caiana.

Roupas de variadas cores no quarador natural de buchas trepadeiras. Sol quente do mês de maio, tempo bom. Na cozinha, o fogão de barro, a lenha, encardidas panelas sobre o fogo brando.

A jovem mãe temerosa e um bebê com quebranto. Vovó benzedeira, ramos de arruda na mão direita, gestos repetidos, jaculatórias ininteligíveis no ritual da crença e da cura.

O bebê tranquilo, a mãe em paz, vovó feliz. Café quentinho no bule de esmalte com biscoitos frescos.

Um trovão repentino, pingos grossos de chuva temporã, vovó e eu em disparada rumo às roupas no quarador. Surpresa. Risos. A mãe com o bebê ao colo no banco da cozinha. Indiferente a tudo, a gata de olhos verdes no rabo do fogão.

Tempos de quintais. Tempos distantes. Tempos felizes!

Antonio Victor nasceu em Formosa, Goiás, em 29 de outubro de 1958.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Camiseta Maria Bonita

Comentários

%d blogueiros gostam disto: