fbpx

Motiba, a deusa, e as lágrimas azuis: Uma homenagem ao menor rio do Brasil

Por Marconi Burum

Diante da beleza dos Azuis
Da água do rio,
E dos azuis do céu,
O paradoxo.
Ora, a menor bacia d’água que há
Projeta a imensidão do alto
E a existência do mar,
Temos certo.

Uma deusa discreta,
Conta a lenda,
Foi aprisionada por seu amado
Nas rochas de Pangeia.
Era o ciumes de uma perfeição desafiada.

Seu nome era Motiba.
A sua beleza tal,
[ fazia reluzir
A morte terna de quem se fizesse admirar.
Não era possível conter-se.
Ainda assim seu esposo não suportava ver
[ tantos a humilhá-lo àquela devoção.
Era um deleite ao prazer platônico.
O êxtase sensacional.
A nirvana do simples olhar.
Sem toque, sem se embebecer,
[ a embriaguez delirante.
Jogava-se por entre montanhas
[ todo homem
[ pensando agora poder voar.

Insuportável disputa,
Eis que seu preferido a esconde singela
[ dentre as pedras que emergem
Na Aurora de um canto sublime qualquer.

Mobiba
Jamais se faria sua parte gente,
Novamente.
Tornada em prantos e aflição,
Dor e solidão,
A deusa
Fez brotar por entre as rochas,
Num fundo invisível,
A mais bela nascente de águas límpidas.
Eram suas lágrimas a escorrer
Do centro da montanha.
Não havendo assanha,
Fizera Motiba novamente
[ o deleite do homem,
Mas fizera o seu próprio.
Eis que a graça das lágrimas azuis,
Ao sentir-se pele e corpo,
O mergulho estonteante
Faz carícia na face da deusa no cárcere.
Cativa,
A diva a se libertar,
Escorrendo sorrisos
Ao encontro do mar.

Na alegria das crianças a brincar
[ de buscar no fundo as pedrinhas claras;
No êxtase da ninfa que sente
[ suas entranhas a vibrar
No beber dos pássaros após o cantar,
No prazer dos enamorados
[ se entregando no ato
De apaixonar-se.

Era assim a forma que
Motiba,
A deusa
Se faria projetar vida;
Encontrar-se-ia em nova realeza.
Na pureza daquele chorar;
Na transparência de seu sabor
[ quase vegano;
No toque delicado de suas águas,
A simplicidade e a singeleza
[ que justifica o nascer humano.

A deusa da verdade,
Na verdade,
É transcendência.

E de suas tímidas águas
Transparentes,
O espelho a presentear de luz
O mar,
O céu
E o homem a amar…

            … Novamente!

Marconi Moura de Lima Burum é professor e escritor. Formado em Letras pela UnB, pós-graduado em Direito Público pela Faculdade Damásio de Jesus, foi também Secretário de Educação em Cidade Ocidental (Entorno de Brasília). Este Poema é uma homenagem ao menor rio do Brasil, o Rio Azuis, localizado em Aurora, Tocantins, a 491 km de Brasília-DF.

Agenda 21 no Rio Azuis: Mural desenhado pelo artista Francisco Montenegro

Todas as fotos utilizadas na ilustração desta matéria são de Filipi Andrade Rio Azuis

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

 E-Book Caminhando na Floresta

Um livro imperdível sobre a experiência do autor na convivência com os seringueiros do Vale do Acre nos tempos de Chico Mendes.

COMPRE AQUI

Anúncios