Para as noites de luar, a Serenata de Olinda!

Violões, violinos, bandolins, acordeons. Bolero, chorinho, forró, frevo, tango, marchinha, samba.  Vozes cantando e palmas compondo o coro. Flores distribuídas para as mulheres.

Desde 1987, nas noites de sexta-feira, exceto no carnaval, moradores apaixonados e turistas entusiasmados formam animado cortejo pelas ruas e becos de casarios do Sítio Histórico de Olinda, em Pernambuco, para acompanhar, a pé, e com sorte à luz luar, a Serenata de Olinda.

Não há burocracia, nem custo. Para acompanhar a Serenata de Olinda, basta se juntar à concentração de pessoas que sai por volta das 21h30 das escadarias da Igreja de São Pedro Apóstolo, na Praça João Alfredo. Na última sexta-feira do mês, o ponto de partida é a Faculdade de Olinda, seguindo pela Avenida Liberdade.

O trajeto passa pela Rua Prudente de Moraes, fazendo parada nos Quatro Cantos – área conhecida por reunir bares –, Mercado da Ribeira, Prefeitura de Olinda e Rua 27 de Maio. O retorno para a praça da igreja ou para os portões da universidade acontece por volta da meia-noite. Mas pode demorar um pouco mais, quando muitas janelas e portas se abrem para saudar os músicos ao longo do caminho.

Dois grupos musicais, o Luar de Olinda e os Seresteiros de Olinda, cada qual com cerca de 12 a 20 integrantes, dos quais grande parte são músicos amadores, se revezam para tocar um repertório de 80 a 100 músicas. Essa é, segundo os moradores, uma forma bonita e criativa de proteger o Patrimônio Histórico de Olinda.

Aliás, a Serenata surgiu depois de um plebiscito realizado em 1987, onde 70% dos moradores votaram contra a abertura do sítio histórico aos carros. Foi decidido o fechamento parcial, com acesso permitido somente em determinados horários.

Para celebrar a medida, na sexta-feira de 8 de maio de 1987, um grupo saiu pelas ruas tocando músicas variadas para celebrar a medida. Ali nascia a Serenata de Olinda!

Eduardo Pereira
Produtor Cultural

Comentários