O Cururu

“O coro imenso continuava sem dar fé do que acontecia a um de seus cantores.”

Por Jorge de Lima (in memoriam)

Tudo quieto, o primeiro cururu surgiu na margem, molhado, reluzente na semiescuridão. Engoliu um mosquito; baixou a cabeçorra; tragou um cascudinho; mergulhou de novo, e bum-bum! Soou uma nota soturna do concerto interrompido.

Em poucos instantes, o barreiro ficou sonoro, como um convento de frades. Vozes roucas, foi-não-foi, tãs-tãs, bum-buns, choros, esguelamentos finos de rãs, acompanhamentos profundos de sapos, respondeiam-se. Os bichos apareciam, mergulhavam, arrastavam-se nas margens, abriam grandes círculos na flor d’água. (…)

Daí a pouco, da bruta escuridão, surgiram dois olhos luminosos, fosforescentes, como dois vagalumes. Um sapo cururu grelou-os e ficou deslumbrado, com os dois olhos esbugalhados, presos naquela boniteza luminosa. Os dois olhos fosforescentes aproximavam-se mais e mais, como dois pequenos holofotes na cabeça triangular da serpente. O sapo não se movia, fascinado.

Sem dúvida queria fugir; previa o perigo, porque emudecera; mas já não podia andar, imobilizado; os olhos feiíssimos, agarrados aos olhos luminosos e bonitos como um pecado. Num bote a cabeça triangular abocanhou a boca imunda do batráquio. Ele não podia fugir àquele beijo.

A boca fina do réptil arreganhou-se desmesuradamente; envolveu o sapo até os olhos. Ele se baixava dócil entregando-se à morte tentadora, apenas agitando as patas sem provocar nenhuma reação ao sacrifício. A barriga disforme e negra desapareceu na goela dilatada da cobra. E, num minuto, as perninhas do cururu lá se foram, ainda vivas, para as entranhas famélicas. O coro imenso continuava sem dar fé do que acontecia a um de seus cantores.

Arte encontrada no Twitter

Biografia de Jorge de Lima

Jorge de Lima (1895-1953) foi um poeta brasileiro. Fez parte do Segundo Tempo Modernista. É autor de vasta obra poética, que oscila entre o formalismo, o misticismo, as recordações da infância e a figura do negro.

Jorge de Lima (1895-1953) nasceu em União dos Palmares, Alagoas, no dia 23 de abril de 1895. Filho de senhor de engenho, mudou-se para Maceió, em 1902. Estudou no Colégio Diocesano de Alagoas. Com apenas 17 anos, escreveu o poema “Acendedor de Lampiões”. Estudou Medicina no Rio de Janeiro. Em 1914 publicou “XIV Versos Alexandrinos”, que foi sua estreia no mundo literário. Em 1919, retornou a Maceió, onde exerceu a profissão e dedicou-se à política.

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:

A carreira poética de Jorge de Lima foi múltipla, iniciou-se no Movimento Parnasiano, e no final da década de 20 acercou-se de técnicas do Modernismo, em especial do verso livre. Reuniu as várias fases em seu poema, a epopeia barroco-surrealista “Invenção de Orfeu”.

Jorge de Lima sintonizava-se com as proposições “regionalistas” de alguns intelectuais nordestinos, chefiados por Gilberto Freyre, daí a fase nordestina do poeta, caracterizada por uma produção literária focada na realidade existencial, cultural e histórica do povo do Nordeste. A valorização do misticismo nordestino o aproximou do catolicismo. Publica a biografia “Anchieta”, “O Anjo” e “Tempos de Eternidade”. O autor explora também a cultura negra, em seus ritos e costumes.

Jorge Matheos de Lima faleceu no Rio de Janeiro, no dia 15 de novembro de 1953.

Obras de Jorge de Lima

XIV Alexandrinos, poesia, 1914
O Mundo do Menino Impossível, poesia, 1925
Poemas, 1927
Novos Poemas, 1927
Salomão e as Mulheres, romance, 1927
Poemas Escolhidos, 1932
O Anjo, romance, 1934
Calunga, romance, 1935
Tempo e Eternidade, 1935 (em colaboração com Murilo Mendes)
Quatro Poemas Negros, 1937
A Túnica Inconsútil, poesia, 1938
A Mulher Obscura, romance, 1939
Poemas Negros, 1947
Livro de Sonetos, 1949
Guerra Dentro do Beco, romance, 1950
A Filha da Mãe D’Água, teatro
As Mãos, teatro
Ulisses, teatro
Os Retirantes, cinema
Obra Poética, 1950
Invenção de Orfeu, 1952

Fonte da Biografia de Jorge de Lima https://www.ebiografia.com/jorge_de_lima/



Réquiem para o Cerrado – O Simbólico e o Real na Terra das Plantas Tortas

Uma linda e singela história do Cerrado. Em comovente narrativa, o professor Altair Sales nos leva à vida simples e feliz  no “jardim das plantas tortas” de um pacato  povoado  cerratense, interrompida pela devastação do Cerrado nesses tempos cruéis que nos toca viver nos dias de hoje. 

COMPRE AQUI

 

CLIQUE NO ANÚNCIO PARA AJUDAR NOSSO PROJETO:
[instagram-feed] [instagram-feed]