Por José Gil Barbosa Terceiro

Conta um mito do povo tupi, difundido por toda a América do Sul, que muitos anos atrás uma bela índia tupi deu à luz uma indiazinha de pele clara e cabelos loiros, a quem a tribo passou a chamar de Mani. Mani foi crescendo e ganhando a simpatia de todos que tinham a oportunidade de conviver com ela, não só por suas características incomuns, mas também por ser uma criança muito esperta e portadora de uma felicidade contagiante, estando sempre a sorrir.

Um dia, a menina amanheceu adoentada  e não tinha quem conseguisse fazê-la se levantar da rede.  O  pajé  celebrou  rituais  de cura e ministrou poções à base de ervas medicinais, mas foi tudo em vão. A menina não resistiu e acabou morrendo.

Como era costume de seu povo, Mani foi sepultada dentro da oca em que vivia. Toda  a tribo compareceu ao enterro, e a lágrima  do povo tupi inundou o solo da oca. Passados alguns dias,  no  lugar  em  que  enterraram a menina, nasceu uma planta até então

desconhecida. Os índios resolveram cavar para ver que planta era aquela, tiraram-na da terra e ao examinar sua raiz viram que era marrom por fora e branquinha por dentro.

Os índios perceberam que a planta poderia ser usada como base de muitos alimentos: sua própria raiz era comestível e com ela fabricaram farinha e cauim, uma bebida de gosto forte. Até mesmo as folhas tinham sua serventia. Perceberam, assim, que a planta que fornecia alegria e abundância para os índios era um presente dos deuses.

A planta passou a ser chamada de mandioca (Mani + oca – casa de índio), por ter surgido dentro da oca, no lugar em que Mani foi sepultada. Até hoje, a mandioca é utilizada para inúmeros fins, em especial no Nordeste, onde acontecem as tradicionais farinhadas, em que se produzem farinha, tapioca e outros derivados.

José Gil Barbosa Terceiro – Advogado. Folclorista. Gestor do site Causos Assustadores do Piauí, citando como fonte NOLÊTO, Rafael. Mitologia Piaga: Deuses, Encantados, Espíritos e outros Seres Lendários do Piauí. Teresina: Clube de Autores, 2019.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: