O Museu das Missões fica localizado dentro do Sítio Histórico São Miguel Arcanjo, em São Miguel das Missões (RS), a mais preservada missão jesuítica do Brasil. As ruínas do povoado, fundado no século XVII, foram reconhecidas como Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO, em dezembro de 1983.

Criado em 8 de março de 1940 pelo presidente Getúlio Vargas, o Museu das Missões tem por finalidade “reunir e conservar as obras de arte ou de valor histórico relacionadas com os Sete Povos das Missões Orientais, fundados pela Companhia de Jesus naquela região do país”.

Projetado pelo eminente arquiteto e urbanista Lucio Costa, o Museu das Missões foi, por muito tempo, o único museu dedicado especialmente ao tema “Missões”, sendo que somente anos mais tarde seriam criadas instituições semelhantes na Argentina e no Paraguai.

ACERVO

Seu acervo museológico institucional é composto por uma rica coleção de esculturas missioneiras em madeira policromada dos séculos XVII e XVIII, sendo a maior coleção pública do Mercosul nesse gênero.

O Museu das Missões é composto por duas edificações: o Pavilhão Lúcio Costa, que abriga a exposição de longa duração do museu e a Casa do Zelador, que atualmente possui o Núcleo Expositivo Memória e História, além de abrigar a estrutura de gestão da unidade museológica.

A Casa do Zelador, portanto, passou a ter novas funções ao longo do tempo, pois o espaço foi planejado pelo arquiteto Lucio Costa como habitação para a família do primeiro zelador do museu, Sr. João Hugo Machado.

 

EXPERIÊNCIA GUARANI

Ao visitar o Museu das Missões, pode-se entrar em contato com os remanescentes históricos e arquitetônicos dos povoados missionais dos séculos XVII e XVIII, bem como com os descendentes dos índios Guarani. De terça-feira a domingo, grupos de índios da Aldeia Guarani Tekoá Koenju (Aldeia Alvorecer), do interior de São Miguel das Missões, RS, se reúnem sob o alpendre do museu para mostrar e vender o artesanato produzido por eles na própria aldeia.

 

A TAVA

Em 2014, foi registrado pelo Iphan como Patrimônio Cultural do Brasil a Tava, lugar de referência para a memória e a identidade do povo Guarani. Segundo registros e pesquisas sobre esse lugar sagrado, a Tava foi construída e habitada pelos ancestrais dos Guarani, a pedido da sua divindade, Nhanderu.  No ano de 2018, a Tava também foi reconhecida oficialmente como Patrimônio Cultural do MERCOSUL.

Para os Guarani-Mbyá, a Tava é um local onde viveram seus antepassados, que construíram estruturas em pedra nas quais deixaram suas marcas, e parte de suas corporalidades, por conter os “corpos” dos ancestrais que se transformaram em imortais; ali são relembradas as ‘belas palavras’ do demiurgo Nhanderu. Nesses locais, é possível vivenciar o bom modo de ser Guarani-Mbyá, e esse modo de viver permite tornar-se imortal e alcançar Yvy Mara Ey (a Terra sem Mal).

Assim, ao contemplar as esculturas feitas pela mão do índio há séculos, ainda é possível ouvir o soar da flauta indígena por entre as colunas de pedra do museu.


COMO CHEGAR

 A cidade fica próxima da fronteira com a Argentina – 174 km de distância para São Borja. Saindo de Porto Alegre, pegue a Rodovia BR-116 em direção a Canoas. Na Av. Getúlio Vargas, siga pelo acesso à BR-386 – estrada com pedágios – e vá até a cidade de Tio Hugo. Lá, faça o retorno no trevo e pegue a RS-223. Um pouco depois de Ibirubá, vire à esquerda na BR-377 e siga até Cruz Alta. Pegue a RS-342 e, depois, em Ijuí, saia pela BR-285 (à esquerda). Percorra a estrada até chegar ao acesso de São Miguel das Missões.

Fonte: Museu das Missões

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Comentários

%d blogueiros gostam disto: