fbpx

O Teto do Tatu

Quando carapaças envernizadas criam soluções mágicas, o resultado pode ser bestial…

Por Letícia Bartholo

Mãe Tatu-Bola ganhou de presente de casamento uma boa herança familiar: uma toca estruturada, construída durante alguns anos pelas próprias patas de seu pai e de seu avô. Ali, naquela toca, Mãe Tatu se alojou com Pai Tatu e deu à luz a três serelepes tatuzinhos.

Seu pai e avô não eram tatus de muitas posses e tampouco os melhores construtores da região, de modo que a toca era funcional, mas possuía algumas falhas de finalização. Entre elas, a que mais incomodava Mãe Tatu era o teto. Feito de galhos e folhas, requeria constante cuidado: era preciso trocar suas folhas no período de seca, para que ofertasse proteção durante as chuvas. 

Além deste trabalho de reparação frequente, Mãe Tatu considerava o teto bem fora de moda e assim resolveu pedir ajuda ao Tatu Decorador, seu amigo de gosto inconteste, para dar um tapa no visual no teto. Analisando a localização da toca, Tatu Decorador convenceu Mãe Tatu de que o teto, mesmo repaginado, não funcionava esteticamente e desvalorizava a morada. Mais ainda, seria bem melhor viver sem teto, pois a toca estava logo abaixo de uma frondosa árvore, capaz de lhes dar praticamente o mesmo abrigo do sol e da chuva que aquele teto mal-acabado.

Induzida pelo amigo, Mãe Tatu resolveu pôr o teto abaixo. “Ah, realmente a toca está com outra cara”, pensou ela ao notar que ganhara um bom pedaço de jardim. Tudo ia bem e a família passou a mais agradável primavera, sentindo a brisa leve nas carapaças e o cheiro das flores nos focinhos.

Porém, quando o verão tomou lugar, com seu sol causticante e as fortes pancadas de chuva, a promessa de que a árvore lhes traria a proteção necessária não se cumpriu. Casca dura, Mãe Tatu demorou um pouco a admitir o fracasso, mas ficou impossível empurrar o problema com a barriga e ela decidiu buscar a ajuda de outro amigo. Eis que foi literalmente impedida: deste assunto agora cuido eu, porque esses seus amigos aí não entendem de nada!, esbravejou o marido. 

Orgulhoso por finalmente ter conquistado seu espaço de tatu macho nas decisões domésticas, Pai Tatu pôs-se a pesquisar empresas especializadas em telhado. Que decepção! Só encontrava alternativas demoradas ou de custos proibitivos – e ele tinha pressa! Por sorte, deu de cara com uma empresa nova: Carapaça Tocas e Telhados – projetos ágeis e inovadores para tatus. Cobrimos qualquer orçamento, dizia o anúncio. Pai Tatu correu até a loja e foi atendido por um Tatu descolado, de colete e topete.

 – Muito boa tarde! Sou o CEO! – disse Tatu Colete, estendendo-lhe a pata.

Anúncios

 – Boa tarde. Tenho um problema na minha toca pra resolver – respondeu Pai Tatu, sendo imediatamente interrompido por Tatu Colete.

 – Não. O senhor tinha um problema. Quando passou por aquela porta, já alcançou a solução!

Pai Tatu gostou do clima de confiança e abriu o verbo, contando toda a história da sua toca. Tatu Colete o escutou atentamente, explicou não ser a primeira vez que via uma família humilde cair no conto da possibilidade de toca sem teto e que trataria de dar fim àquela agrura por um precinho camarada.

 – Eu tenho simplesmente a solução mais inovadora para lhe oferecer! – informou Tatu Colete, deixando Pai Tatu completamente animado.

 – Ora, que ótima notícia! E como é exatamente este teto inovador?

Anúncios

 – É o nosso Magic Teto! Uma inovação fenomenal! Uma invenção disruptiva!

 – Disruptiva? Vai quebrar??? – perguntou Pai Tatu, sem entender muita coisa.

 – Não, claro que não! – disse Tatu Colete, rindo da limitação semântica do cliente. Disruptivo em outro mindset! Aceita um café com blueberry?

Pai Tatu serviu-se do café azul, enquanto o CEO seguiu a explicação:

 – Nosso Magic Teto protege completamente da chuva e do calor e só precisa de manutenção após 20 anos de uso! E o melhor de tudo eu vou lhe contar agora: o senhor terá em sua casa algo que nenhum tatu tem no mundo! 

Anúncios

 – Mas, se ninguém tem, funciona?  – questionou Pai Tatu, um pouco ressabiado.

 – Ah, sem dúvida nenhuma! Alguns tatus internacionais usam tetos parecidos, mas sem o mesmo padrão de acabamento. Nosso Magic Teto tem vedação muito superior. O senhor terá um teto completamente inovador e será um case de sucesso para todo o planeta!

Persuadido pela firmeza do Tatu Colete, que, afinal, era um CEO, Pai Tatu fechou o negócio. E, em menos de uma semana, sua toca já estava toda moderna, revestida de Magic Teto. No entanto, após a primeira noite com a invenção disruptiva, a família Tatu sentiu certo incômodo: o ambiente estava abafado, porque o teto praticamente vedava toda a toca. E a toca ficou fria, sem sequer um raio de sol. 

Pai Tatu então ligou para Tatu Colete, que novamente transmitiu-lhe muita segurança, esclarecendo tratar-se somente de uma fase inicial de adaptação: Logo logo estarão todos numa Magic Life sob o nosso Magic Teto!, afirmou o CEO. Porém não foi o que ocorreu: com a chegada do inverno, tudo sob o teto gelava. E a toca, outrora menos moderna, mas aconchegante, ficou inabitável.

Pai Tatu correu novamente até a loja, desta vez disposto a reclamar e pegar seu dinheiro de volta. Sua surpresa foi saber que a empresa agora estava sob outra administração. 

Anúncios

 – Fique tranquilo, o senhor agora não será atendido por um CEO qualquer, mas por um doutor. – disse um tatu de óculos e gravata, apresentando-se a Pai Tatu. E continuou: ocorre que o administrador anterior não lhe deu informação suficiente sobre o teto no inverno. 

 – Como assim? – indagou Pai Tatu.

 – O Magic Teto é realmente bom. O problema é a má orientação sobre o uso. 

Pai Tatu fez cara de poucos amigos, mas Tatu Gravata não se afetou.

 – Pois bem, o que o antigo administrador não lhe contou é que, para o bom funcionamento do teto, no inverno o senhor precisa quebrar o piso.

Anúncios

 – Quebrar o piso? Eu sou um tatu, e não um burro, caramba! Minha toca é clássica, feita de piso de barro!!! Que solução idiota! Eu vou processar vocês!

 – Acalme-se, senhor. Quebrar o piso é uma metáfora, entende? O que é preciso é tornar o piso da sua toca mais fundo, para que atinja o calor do núcleo terrestre.  

Os olhos de Pai Tatu pareciam saltar pra fora do rosto, de tanta revolta.

 – Veja, sei que parece um pouco contraintuitivo, mas é a ciência. O núcleo terrestre é bem quente, como o senhor deve saber. Cavando mais fundo, sua toca se aproxima do núcleo e ficará devidamente aquecida no inverno.

 – Mas eu não quero quebrar o piso, eu quero é reformar aquele teto estúpido!

 – É uma escolha que não recomendo. Se o senhor mudar algo no teto durante os 10 primeiros anos de uso, deixará de seguir as recomendações do fabricante e pode gerar um dano estrutural à sua toca. E perderá a garantia. – respondeu Tatu Gravata, dando de ombros.

Pai Tatu voltou para a casa com a intuição de que havia algo errado em toda aquela conversa, mas, sem outra solução, restou-lhe convencer a família de que o que deveria ser feito, simplesmente deveria ser feito. Ou cavavam até as cercanias do núcleo terrestre, ou perderiam toda a toca.

 – Puseram-se então os três tatuzinhos e seus pais a cavar. Dia a dia, cravavam suas patas mais e mais fundo. E, dia a dia, a toca ficava mais escura e fria.

 – Tá tudo bem aí? – perguntava lá de cima Tatu Gravata, sentado sob a agradável sombra da árvore.

 – Até agora não achamos núcleo nenhum! – gritava Pai Tatu do fundo da toca.

 – Pois persistam. Não é hora de desistir! O mundo todo está com uma excelente expectativa sobre o trabalho de vocês!

Exauridos e já sem alimentos nas profundezas da terra, os tatus estavam prestes a desistir quando, numa cavada forte, Pai Tatu sentiu a mudança na textura do solo. Chacoalhou a carapaça, puxou as unhas com ansiedade e abriu caminho para um enorme aquífero, donde a água brotou intensa, inundando toda a toca.  A família tentou subir, mas a toca era tão funda que todos se afogaram antes de chegar à superfície. A água jorrou, rompendo o Magic Teto e lançando os cinco corpos à tradicional aridez da morte.

Ao ver a cena, Tatu Gravata correu para sua toca, cujo teto era de palha, fez as malas e partiu. Soube-se depois que Tatu Gravata era irmão e sócio de Tatu Colete. A última notícia dos pilantras é de 2018: haviam mudado de segmento e esbanjavam dinheiro. Colete e Gravata fundaram uma nova empresa, especializada na assessoria em construção de barragens para castores. Funcionava em Brumadinho. 

 

Letícia Bartholo – Socióloga. Mestre em Demografia. Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental. 


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Camisetas


Banners II - camisetas

Toda Camiseta da Loja Xapuri é uma declaração de esperança, uma expressão de solidariedade, um compromisso com a resistência.

Banners II - camisetas

Toda Camiseta da Loja Xapuri é uma declaração de esperança, uma expressão de solidariedade, um compromisso com a resistência.

previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?


capa da revista 83
revista 82
REVISTA 80
Xapuri 79 web
revista_xapuri78_capa
Capa X77
previous arrowprevious arrow
next arrownext arrow

Anúncios