AMORES-SEMENTES é poesia que germina do recôndito da alma. É poesia da lavra, da vivência e lembranças da autora. Amores e sementes que se plantados serão colhidos, assim como a algodão. Este poema propicia memória, saudade e transmutação.

Por Rejane Araújo

 

O ronronado da linha na máquina de costura.

Sinfonia de fios e carretéis. A memória do algodão.

O tecido das lembranças a carecer lágrimas.

Mantas rústicas com línguas ásperas roçam a pele.

Tocam nevralgias e saudades.

Escarafuncham feridas e ausências.

A roda a fiar a sorte.

Amores-sementes dormem no leito macio da terra úmida.

Amores-sementes esperam tempos propícios pra germinar.

Amores-sementes querem virar flores de algodão.

No tear das ilusões, o algodão trama tecidos que agasalham e abraçam madrugadas plenas de esperanças.

Rejane Araújo – Arte-Educadora e Arteterapeuta Junguiana, paraibana de Lagoa de Cozinha, descobriu no Cerrado uma beleza rústica e apaixonante. Escreve como forma de falar da multiplicidade da vida e de expressar as vozes que habitam o mais profundo do seu ser.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. É, também, com um percentual dessas vendas, que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, do povo Krenak, em Minas Gerais, do Museu Kalunga Iaiá Procópia, em Goiás e do povo Xavante, no Mato Grosso. Ao comprar em nossa Loja Xapuri, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Contamos com você! WhatsApp: 61 9 99611193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: