Divino, meu Divininho …

Iêda Vilas-Bôas

Olha, amor!

Rezei preces à Virgem Maria

Apeguei-me com Santas poderosas

A das causas impossíveis,

A que desata nós

A que restitui visão aos cegos.

Fui cega. Admito!

Cantei as tristes cantigas em Yorubá

Tudo em vão.

Meu amor não estava lá.

Recorri aos Orixás

Devotei-me aos Santos todos

Desci além mar

Subi pedreiras

Banhei-me em cachoeiras.

Acendi velas

De cores verde, branca, vermelha

E amarela

Fogo queimou

Pavio apagou

Nada, amor!

Dancei no afoxé,

Ouvi tambores

Enviei clamores.

Nada, amor!

O consolo que me resta

É essa grande festa

Que em alvorada

Desperta devotos

E envolve a todos

Em nuvem de fé

Tento aplacar meu pranto

Que, de verdade, nem sei qual é.

Um quebranto

Banzo.

E faço meu apelo

Ao Divino Espírito Santo.

Divino, Senhor poderoso e querido

Leva de mim minhas dores

Carrega de mim a tristeza

Retira esta morrença

Que ronda meu sono

Que amortece filetes esperança

Que entorpece minha mente

Encharca minha alma doente

Divino, meu Divininho …

Tem de piedade de mim

A mais vil das pecadoras

Precisa de sua proteção

Sem bandeira, sem tradição

Trago os sonhos rotos

Perdidos em ilusão.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Comentários

%d blogueiros gostam disto: