Primavera

Florbela Espanca

É Primavera agora, meu Amor!

O campo despe a veste de estamenha;

Não há árvore nenhuma que não tenha

O coração aberto, todo em flor!

Ah! Deixa-te vogar, calmo, ao sabor

Da vida… não há bem que nos não venha

Dum mal que o nosso orgulho em vão desdenha!

Não há bem que não possa ser melhor!

Também despi meu triste burel pardo,

E agora cheiro a rosmaninho e a nardo

E ando agora tonta, à tua espera…

Pus rosas cor-de-rosa em meus cabelos…

Parecem um rosal! Vem desprendê-los!

Meu Amor, meu Amor, é Primavera!…

Florbela Espanca, nascida Flor Bela Lobo em 1894, foi uma poetisa feminista portuguesa. Conhecida pelas suas transgressões que chocaram o início do século XX – casou-se três vezes, frequentava bares e foi a primeira mulher a ingressar no curso de Direito da Universidade de Lisboa –, escreveu seu primeiro poema com apenas 8 anos de idade. Sobre sua poesia, marcada por temas subjetivos, como amor, solidão, sofrimento e desamores, Florbela dizia ter “uma sede de infinito”. Essa sede a fez publicar contos, um diário, inúmeras traduções e somente duas antologias de poemas, número suficiente para tê-la colocado no mapa literário dos principais autores portugueses.

Fonte: taglivros

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

 

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.