Por Maria Marlene de Souza Abdalla

Nele colho frutas que abundantemente

Caem da centenária mangueira

Que aqui já encontrei.

Da pitangueira, limoeiro, bananeira,

Coqueiros, e da goiabeira que um dia plantei.

Seus sabores inspiram-me

A produzir doces, geleias e licores.

 

Meu quintal! Meu manancial!

Nele colho as ervas para os chás:

Alfavacas, sabugueiros, carro-santo;

Para gripes e resfriados.

Planto cidreira, capim santo, alecrim,

Para o coração abrandar…

Planto boldo, quitoco, sete dores,

Se o fígado reclamar…

Colho na horta os temperos…

Para o estômago restaurar.

As pimentas bem curtidas, para o fogo apagar

Cheiro verde, alho, cebolinha, coentro,

E que mais plantar?

Nasce pé de mamão,

Onde as sementes alcançarem.

Quando maduros, os pássaros

Vêm para se alimentarem.

Fazem festas ao alvorecer

Quando saem a passear,

E ao por-do-sol felizes voltam

Para pernoitar…

 

Meu quintal! Meu manancial!

Nele nascem serralhas, verdoegas,

Taiobas e também língua de vaca;

Suas folhas suculentas servem

Para o refogado, seus sabores

À vida acrescentar.

Brotam jurubebas que abrem o apetite

E fazem o fígado sossegar.

Poejo e marcelinhas

Para os bebês acalentarem.

Coco xodó, cana caiana fazem

À minha infância retornar.

Milho verde e as abóboras!

Quando a chuva chegar…

Quebra-pedra para os rins

E picão  para icterícia…

Fedegoso, São Caetano, espada de

São Jorge, tipi e arruda

Para os banhos e os males espantarem;

As crenças e a cultura se perpetuarem.

Nascem pés de buchas que se diz paulistas,

Mas que são tão goianas como nós.

Planto hortelã para o quibe temperar!

A parreira é um sonho

Que ainda vou concretizar…

O hibisco, cerca viva

Enfeita também o altar.

Hortênsias, samambaias,

Trepadeiras e muito verde, momentos de

Muitas alegrias já presenciaram;

Violinos entre elas um dia tocou.

Nele planto girassóis e flores

Para presentear.

Maria Marlene de Souza Abdala – Poeta, em “Segunda Antologia dos Escritores Formosenses – 2001-2010”. Olinda da Rocha Lôbo, Casa do Poeta Brasileiro, Seção Formosa, 2010.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611193

 

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: