Sou eternidade, me calcifiquei como quartzo em mim

Fefê

E esse amor dos simplistas

Que pode, contudo, ser um nada

O acaso do vão eterno

Que se distende pela caminhada vazia

Partilhada ainda, com ninguém.

E é de uma seguridade utópica

de mãos vazias e pérfidas

que se instalou em mim esse falso amor

E você foi do pouco, agravado ao nada.

E se posso, ouso dizer que amor é isso: nada.

Solenemente ouvir que não se deve

pois, talvez, não mesmo.

E eu distante de tudo que não tive

Choro, canto, e ainda tenho mais de mim que antes

Sou eternidade, me calcifiquei como quartzo em mim

Me fiz e refiz

Reli em mim os mais lindo dos poemas de Florbela

E de caos em caôs eu sou o que sou.

Mas você?

Você é sem dúvidas

areia de simples embalo

que vai para onde a brisa leva.

Fonte: Arquivo Pessoal

Quem é Fefê? Fernanda Rodrigues Pacheco é aluna do Curso de Letras da Universidade Estadual de Goiás – 3º Período, jovem e, poeta em construção. Preta linda, feminista e minha amiga!

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611193

Comentários

%d blogueiros gostam disto: