TODO CAMBIA
batista filho

“todo cambia”
mercedes sosa
canta.

“tudo muda:
minha sorte(?)
há de mudar.”
diz a mendiga
com um embrulho
junto ao peito.
uma boneca
de trapos
ou um bebê
subnutrido?

a multidão me empurra
antes que eu saiba.
é a pressa
que no natal
impera.
há um natal, nesse natal?

tudo muda, né?

“tudo muda
… menos esse bando
de vagabundos nas ruas.
por que não rezam
nas suas casas
e dizem ‘amém!’
como bons cristãos?”

e tome porrada!
e tome jato d’água
gás de pimenta
nos olhos
nas ventas!
e bala de borracha
no peito
na cara.
(e outras balas. não de borracha:
ferro ou aço de navalha.)

mas é natal, né?
tudo muda. ou quase.
a multidão me empurra.
é a pressa
que no natal
impera.
lembro
(ou penso?)
que havia outro espírito
noutro natal
mas…

tudo muda…
quero acreditar nisso.

a multidão me empurra
pras ruas
becos e vielas:
nada a ver
com o higienizado
caminho da compostela…

tudo muda
porém
um coração duro
como demora a mudar…

tudo muda.
por cá
também mudou:

ao invés da manjedoura
e da estrela a guiar
os três reis magos
há um morro
em forma de caveira.

tudo muda?!
as multidões, não.

é natal.
“libertem barrabás!”
é a frase de ordem
das lideranças:

católica
kardecista
neopentecostal
1001 gurus
sem amor.

no alto do morro
em forma de caveira
três cruzes.

tudo muda.
às vezes
até de lugar.

no alto do morro
do morro da favela
três cruzes.
três corpos:

um preto
um pobre
uma puta.

“que filhos da puta!”

“todo cambia”
mercedes sosa
continua a cantar…

tudo muda
mas, por cá
o grito é o mesmo
passados mais de 2000 anos:

“libertem barrabás!”

no alto do morro
do morro da favela
três cruzes.
três corpos:

um preto
um pobre
uma puta.

“mirem na cabecinha!”

“matem esses filhos da puta!”

o padre, o kardecista, o pastor
nos seus corações
repetem a macabra ladainha.

as multidões de cegos
guiados por cegos
levantam as mãos
no gesto brutal da “arminha”.

“tudo muda”…
sem errar uma nota
mercedes sosa canta
… mesmo morta.

Fonte: Facebook

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: