Escolha difícil

No bate-papo da mesa do restaurante com amigos, um querido e habitual conviva dos nossos almoços de sexta-feira lança uma pergunta para todos. Um desafio:

— Se você tivesse o poder de trazer de volta uma ou um grande artista do Brasil, compositor ou cantor etc, já falecido, qual deles seria?

Um amigo,  sentando à minha direita, explicou antes de dizer o nome de quem ressuscitaria e por qual razão o traria de volta ao mundo dos viventes. Disse que considerava a importância e a qualidade da obra do artista escolhido e mandou: – Tom Jobim.

Evidentemente, todos aplaudimos a “ressurreição” do brilhante maestro Antônio Carlos Jobim, falecido em Nova Iorque em 1994.

Charles, à minha frente, pensou, pensou e defendeu “o retorno” de seu artista predileto. Ressaltou a beleza de suas composições, a leveza de sua poesia, a doçura de suas melodias: – Dorival Caymmi.

Novamente todo mundo gostou. Tanto que, sentado mais numa ponta da mesa, e em admiração um conterrâneo do Cancioneiro da Bahia declinou o título de algumas de suas composições: “O Samba da Minha Terra, “É Doce Morrer no Mar”, “Maracangalha”, “Marina”, “Dora”, “Rosa Morena”, onde vais morena Rosa, com esta rosa no cabelo e esse andar de moça prosa?…”

Já o amigo sentado à minha esquerda, não pensou duas vezes. Falou que sua escolhida para voltar à vida era dona da voz mais bela e repertório mais completo dentre todas as cantoras. E, firme, apontou: — Elis Regina.

Evidentemente, ninguém discordou. E até fez-se pausa para relembrar de momentos marcantes da vida de Elís, quando por exemplo interpretou “Casa no Campo”, “Como Nossos Pais”, “O Bêbado e a Equilibrista”, “Fascinação”…

Alex também concordou com o amigo sentado ao seu lado, mas disse que apontaria duas outras cantoras que fazem parte do topo no hall da fama brasileira de maneira incontestável: Clara Nunes e Elitzeth Cardoso. Gerou a maior discussão porque era para dizer somente um nome. Ele fincou pé e, em reconhecimento à qualidade das duas artistas, ficou valendo sua dupla escolha.

Já o Júnior não teve dúvida. Cantou “…as rosas não falam, simplesmente as rosas exalam o perfume que roubam de ti…” e cravou: — Cartola. Com certeza, mereceu palmas.

Uma a amiga que está sempre em nossa mesa emendou dizendo parte do magnífico poema de Vinicius de Moraes, seu eleito para ganhar nova vida em nosso mundo: — A vida é a arte do encontro, embora haja tanto desencontro pela vida. Mais uma vez, é claro que nenhum de nós discordou.

O Xará, conhecedor profundo da música brasileira, queria citar cinco ou seis artistas falecidos e que ressuscitaria. Como só podia um nome, optou por dizer Paulo Vanzolini. Lamentou não poder incluir outro conterrâneo seu, de São Paulo, Adoniran Barbosa, também autor de canções inesquecíveis, retratos da cotidiano urbano.

Carlos também fez dupla citação: Lúcio Alves e Dick Farney. Defendeu e ressaltou a leveza com que entoavam a Bossa Nova. Mas reafirmou que o recém-falecido João Gilberto seria seu escolhido para ganhar nova vida por ter concebido pérolas de nossa música.

E o bate-papo seguiu, com cada um da mesa escolhendo vários artistas a quem ressuscitaria se tivesse o poder de dar-lhes nova vida. CazuzaZé KétiÂngela MariaNelson Cavaquinho, Renato RussoGonzaguinhaNelson GonçalvesPixinguinhaNoel RosaJamelãoCássia EllerLupicínio RodriguesMaysaCauby Peixoto, Carmem Miranda, Simonal, Baden PowellRaul Seixas, Heitor Villa-Lobos, Belchior, Ari Barroso, Nara Leão, Tim Maia

Uma lista sem fim.

Todos tinham suas razões. E boas razões para querer ressuscitar o artista de sua preferência. Até que chegou minha vez.

E eu, que havia pensado em vários artistas, tive que obedecer a decisão de ficar com um somente. Antes de dizer o nome do meu escolhido, falei da sua importância para a integração do Brasil inteiro com suas canções de força incontestável e que botou o Sertão do Nordeste para sempre nas paradas musicais: — Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, a quem fotografei várias vezes. Pronto, falei.

Escolha difícil. E você, quem traria de volta ao mundo?

Fonte: Os Divergentes

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: