Cantigas da Sussa

No Carnaval, a maior festa popular do planeta, celebramos a cultura ancestral das mulheres Kalunga, expressada na Sussa, dança movida ao repique das caixas, ao toque rápido das bruacas e à cantiga de versos simples e variados, como a cantiga do marimbondo, que elas dançam rodopiando, como se estivessem coçando umas às outras, como se estivessem sido picadas por marimbondos.

Por Iêda Leal

Levanta a saia, mulata,

não deixa a saia molhar.

A saia custou dinheiro,

Dinheiro custa a ganhar.

 

Ô menina, o que você tem?

Marimbondo, sinhá,

marimbondo, sinhá.

É hoje, é hoje

que a palha da cana voa.

É hoje, é hoje

que tem de avoar.

 

Rainha de ouro,

de ouro só.

Esse rei é de ouro,

de ouro só.

Ô sala de vadiar,

varanda.

Ô sala de vadiar,

Varanda.

Iêda Leal – Coordenadora Nacional do MNU.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


 

Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA? 

ASSINE AQUI

 

 

%d blogueiros gostam disto: