De Paraguaçu e Caramuru à necessária decolonização

De Paraguaçu e Caramuru à necessária decolonização

Por Iêda Vilas-Bôas      

Nesse tempo em que ser indígena representa, ao mesmo instante, ser resistência e ameaça aos vis interesses de garimpeiros, desmatadores, exploradores e grileiros é necessário refletir sobre a história e agir para que mudanças imediatas aconteçam.

Ainda lateja em nossas cabeças o discurso preconceituoso e xenofóbico do chefe máximo do governo: “aos indígenas nem um centímetro de terra, digo, nem um milímetro”, e este texto tem a pretensão de fazer homenagem a uma mulher indígena, e nos dá a exata dimensão da colonização ocorrida neste país de riquezas e belezas mil.

Trago, pois, a saga de Catarina Paraguaçu Álvares, nascida na Bahia, em 1503 e ali também falecida em 26 de janeiro de 1583. Teve vida longa essa linda representante do povo Tupinambá.  O seu verdadeiro nome era “Guaibimpará” – Mar Grande, segundo consta em certidão de seu batismo (30 de julho de 1528 em Saint-Malo, na França, e encontrada no Canadá). O nome Paraguaçu – “Água Grande” foi trocado já por sua união com Diogo Álvares e assim, ficou conhecida e retratada no poema épico Caramuru de frei Santa Rita Durão.

Paraguaçu merece destaque por sua latente atuação na fundação da cidade de Salvador. Apesar de ter se afastado da cultura de seu povo, pôde mostrar seu valor feminino, sua inteligência e astúcia e ainda demonstrou, naqueles idos, que uma indígena podia liderar e ser amada. Paraguaçu cortou mares e aportou na França de Catarina de Médicis e daí veio sua outra alcunha e graça.

Antes disso tudo, precisou que um navio naufragasse em costas brasileiras, na localidade de Maiririquiig (atual largo da Mariquita, no bairro do Rio Vermelho) em solo baiano e sobrevivesse Diogo Álvares Correia, o Caramuru. Esse apelido foi dado pelos indígenas ao encontrarem o sobrevivente em uma loca, escondido, se assemelhando com um caramujo ou ainda a um peixe moreia.

À primeira vista, seu fim estaria perto, pois os Tupinambás praticavam o canibalismo. Esse ritual fazia parte da cultura desse povo. Ao se alimentarem de um branco ou de inimigos, acreditavam que a força do guerreiro sacrificado também passaria a habitar neles. Porém, o naufrago carregava uma espingarda e o Cacique Taparica resolveu poupar o moço. Ofereceu sua mais bela filha ao português e ganhou a arma de presente. Daí para frente estabeleceu-se uma amistosa relação entre os Tupinambá e Caramuru.

Essa história já foi contada em série na TV e no filme Caramuru A Invenção do Brasil, de Guel Arraes. Depois de ser acolhido pelos Tupinambá e seu Cacique Taparica, que habitava o local, ele teve a oportunidade de conviver com os indígenas e se envolveu com as nativas. Conta-se que teve filhos com muitas delas, incluindo Moema, irmã mais velha de Paraguaçu que foi por Caramuru abandonada, para depois levar Paraguaçu para a França e desposá-la segundo costumes europeus.

Caramuru passou a integrar a tribo e a praticar sua cultura e costumes, representou importante papel e mostrou seu valor de guerreiro fiel ao enfrentar outra tribo e ajudar os Tupinambá a vencer uma batalha na ilha do Medo/Baía de Todos os Santos, perto da capital baiana. Como prêmio e presente: o direito de se casar com a filha do cacique.

Paraguaçu enfeitiça o navegante Diogo Álvares Correia que, caído de amores, a toma como legítima esposa. Dessa forma, passa a ser a mãe dos primeiros mestiços entre brancos e índios legitimamente reconhecidos no Brasil. Forma a primeira família miscigenada brasileira. Ela facilmente se adapta à cultura colonizadora e ajuda o marido na tarefa de fundar Salvador; abriu igrejas e protegeu conventos. Em testamento existente até hoje no Mosteiro de São Bento da Bahia, legou todos seus bens aos monges beneditinos. Os restos mortais de Paraguaçu estão na Igreja e Abadia de Nossa Senhora da Graça, em Salvador.

Existe também uma imagem de Catarina Paraguaçu que se encontra aos pés do Caboclo do Dois de Julho, monumento localizado na Praça do Campo Grande no centro de Salvador. Comprova-se, portanto, a real significância da indígena para a construção da capital baiana.

A índia tupinambá Catarina Paraguaçu, nascida na Ilha de Itaparica, tem o seu nome definitivamente ligado à história da formação do Brasil, que começa na Bahia. A importância da índia nas plagas baianas pode ser medida pelas referências à sua figura em Salvador.

Catarina Paraguaçu, então, foi levada à aldeia onde Caramuru morava, ficava no atual bairro da Barra, e lá passou a morar, tornando-se esposa de Caramuru. Em 1528, Catarina Paraguaçu teria sido a primeira brasileira a ser batizada pela Igreja Católica com o nome de Catherine du Brésil. Era o início de uma história de amor, de conquista, mas também de renegação cultural e de menosprezo pelos costumes indígenas. Ela deixou também a crença em Tupã e passou a ser uma dedicada devota à fé cristã e à Virgem Maria. Existe uma tela a óleo no Arquivo Público do estado da Bahia de Manoel Lopes Rodrigues, que retrata a devoção de Paraguaçu aos costumes religiosos católicos.

Depois, em 1534, com a implantação das capitanias hereditárias, o donatário Francisco Pereira Coutinho passou a ameaçar a convivência dos índios e os negócios de Caramuru, cuja influência sobre os índios havia diminuído consideravelmente. Porém, o estrago cultural era irreversível haja vista que os Tupinambá tiveram contato com outro tipo de poder e para os portugueses o valor dos indígenas era bem ínfimo. Sequer eram considerados como seres pensantes.

Em 1549, Tomé de Sousa foi designado Governador-geral do Brasil pelo rei de Portugal e aportou na Barra, em Salvador, para oficializar a fundação da cidade. Nesta história Paraguaçu, como indígena e como mulher, também não seria bem-vinda.

O casal passou a ser vítima de diversos tipos de explorações europeias, eles foram despejados de sua terra no bairro da Graça em Salvador e obrigados a se mudarem para um terreno em uma área mais afastada. Foram jogados no esquecimento social e conheceram o preconceito e a pobreza. Paraguaçu continuou firme ao lado do esposo, de seu amor. Foi exemplo de mãe e mulher de força. Diogo sucumbiu, ela partiu muitos anos mais tarde.

Fica para todas as brasileiras e todos os brasileiros uma profunda reflexão sobre a necessária decolonialidade. Precisamos resgatar a importância dos povos indígenas. Valorizarmos suas múltiplas culturas. Encontrar um caminho para resistir e desconstruir padrões estabelecidos pelos que nos impingiram, inclusive, a mudança de nosso idioma original e materno.

Conceitos e perspectivas foram impostos aos povos indígenas de maneira a deixá-los subalternos e humilhados durante quase seis séculos. E continua vigente a sanha de destruição dessas culturas e povos. Que possamos pensar a decolonização como processo de libertação, que pensemos uma modernidade diferentemente da que foi realizada e que saibamos respeitar o que não é igual.

Por uma nova postura territorial, ambiental e governamental, que respeite nossa ancestralidade indígena. E para Catarina Paraguaçu, um salve! 

Iêda Vilas-Bôas (1963–2022) – Escritora. Conselheira da Revista Xapuri. Partiu desse mundo em 08.04.2022. 

 

 


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!