fbpx

Os bancos públicos do país sofrem intensa ofensiva. Em especial  ao Banco do Brasil, esta atitude fere profundamente um banco público que desde a sua fundação esteve e se mantém voltado para o fortalecimento do desenvolvimento econômico, do apoio incondicional às políticas públicas de inclusão social e aos projetos nacionais ancorados na geração de empregos, na promoção do bem-estar social

Por Kleytton Morais

Começamos este ano difícil de 2021 em luta contra a entrega dos nossos bancos públicos para o setor privado. Em sua sanha privatista, o Estado brasileiro parte para o ataque. Em janeiro de 2021, “para atender aos interesses do mercado”, foram anunciados o fechamento de 361 unidades e o desligamento de 5 mil funcionários do Banco do Brasil.

Anúncios

A ofensiva sobre os bancos públicos, ao mesmo tempo em que montadoras como a Ford fecham suas fábricas, em tempos pandêmicos, agravados pela descoberta, em Manaus, de uma variante nacional do coronavírus, agrava o quadro de desemprego e anuncia um período de mais sacrifícios para o povo brasileiro.

Nesse contexto, a ofensiva do governo atual sobre o Banco do Brasil fere profundamente um banco público que desde a sua fundação esteve e se mantém voltado para o fortalecimento do desenvolvimento econômico, do apoio incondicional às políticas públicas de inclusão social e aos projetos nacionais ancorados na geração de empregos, na promoção do bem-estar social e na sustentabilidade.

Ao promover o desmonte do maior banco público do país, destrói-se, ao mesmo tempo, o investimento no apoio à pequena e média empresa, o incentivo à pesquisa nacional, o financiamento dos projetos sociais capazes de incluir milhares de brasileiros e brasileiras na vida econômica do país.

Dessa forma, ao invés de uma reestruturação que porventura viesse a fortalecer o Banco do Brasil no ecossistema financeiro, com a cooperação de seus funcionários e funcionárias, faz-se a opção pela dispensa de milhares de trabalhadores e trabalhadoras, não para enfraquecer os quadros da empresa, mas principalmente para tornar inviável a prestação dos serviços às populações mais pobres e vulneráveis.

O desmonte é óbvio e não afeta somente o quadro funcional de carreira do Banco do Brasil. De acordo com a Febraban, as agências bancárias brasileiras contavam com, em média, três vigilantes profissionais em 2020, alcançando um total de 60 mil em todas as agências bancárias do país.

Partindo desse princípio, o Banco do Brasil que, em setembro de 2020, tinha 4.368 agências bancárias, empregaria 13.104 vigilantes profissionais para segurança. O anúncio da reestruturação do Banco diz que serão fechadas 112 agências; então, o impacto estimado é de 1.065 trabalhadores do setor de vigilância profissional descartados.  E, segundo o Dieese, também perderão os empregos 350 telefonistas e 120 trabalhadores de limpeza e manutenção.

Por fim, reiteramos a importância do reconhecimento e da valorização da função primordial do Banco do Brasil que, há mais de 200 anos atua – como banco público – no fomento do desenvolvimento nacional, da criação de emprego e renda e do fortalecimento da capacidade produtiva do país.

Um banco, portanto, essencial para o Brasil. Por essa razão, continuaremos lutando por sua existência como banco público e pela manutenção dos empregos de seus servidores e servidoras em todos os recantos do país. Longa vida ao Banco do Brasil!

 

 

Kleytton Morais – Líder Sindical. Presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília.

 

 


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!

COMPRE AQUI

 

Anúncios