Paraíba institui Dia do Orgulho Paraibano

Por Manuela Dorea

A Assembleia Legislativa da Paraíba publicou a lei que institui o Dia do Orgulho Paraibano, que é de autoria do deputado estadual Adriano Galdino (PSB) e foi pensada como resposta ao presidente da República Jair Bolsonaro, que em julho de 2019, em tom aparentemente preconceituoso, chamou os governadores nordestinos de “paraíba”.

A nova lei, que entra em vigor na data de sua publicação, está posta na edição desta quarta-feira (12) do Diário Oficial do Estado. Ela institui a data de 16 de junho como o Dia do Orgulho Paraibano, visto que esse é o dia de aniversário do escritor paraibano Ariano Suassuna.

Ainda de acordo com o texto da nova lei, a data entra a partir de agora no Calendário Oficial de Eventos do Estado da Paraíba. E, ao menos oficialmente, tem como objetivo combater o preconceito e promover ações que visem valorizar a Região Nordeste e mais precisamente a Paraíba.

Passa a ser atribuição das secretarias de Educação, Cultura e Turismo, inclusive, a implantação, realização e divulgação das ações em prol de uma pretensa paraibanidade.

A polêmica que gerou uma lei

Apesar da lei que institui o Dia do Orgulho Paraibano falar apenas de passagem de combate ao preconceito, é justo uma polêmica com o presidente Jair Bolsonaro que resultou em sua tramitação.

Tudo começou em 19 de julho de 2019, quando Bolsonaro se referiu ao Nordeste de forma jocosa e chamou os nove governadores da região de forma indistinta de “paraíba”. A frase foi dita pouco antes de um café da manhã com a imprensa estrangeira e acabou vazando pelos microfones que estavam ligados.

Na época, a repercussão foi imediata. E grande. Os governadores se manifestaram conjuntamente, falando em “espanto e profunda indignação”, e outros políticos paraibanos também se manifestaram.

Até que, em agosto daquele mesmo ano, um mês após a polêmica, Adriano Galdino apresentou o Projeto de Lei que criava a nova data do calendário de eventos estadual.

À época, ele falou sobre preconceito: “Infelizmente, é comum nos depararmos, corriqueiramente, com declarações que apresentam conteúdos discriminatórios, dentre esses, os direcionados ao nosso Estado e ao nosso povo”.

Fonte: Jornal da Paraíba

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Comentários

%d blogueiros gostam disto: