A desigualdade social no Brasil é uma das mais elevadas do mundo.  De acordo com o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), divulgado anualmente pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), em 2015, último ano de análise, o Brasil foi 79º país mais desigual (em uma lista de 188).

Apesar dos avanços sociais ocorridos nas últimas décadas (como a criação do Sistema Único de Saúde, a criação do Bolsa Família e a valorização do Salário Mínimo), que garantiram que o IDH brasileiro melhorasse continuamente desde 1990, em 2015 não houve melhorias.

Um dos principais motivos para esta estagnação, de acordo com o próprio PNUD, é a elevada desigualdade de gênero na sociedade brasileira. No ranking que considera somente o gênero, o Brasil cai para a 92ª posição, atrás de países como a Líbia e a Malásia.

Essa desigualdade não se restringe ao mercado de trabalho, mas é neste em que se mostra mais latente: as mulheres têm taxa de participação no mercado de trabalho (proporção de pessoas que 16 a 59 anos) de 55%, muito inferior à dos homens, que em 2015 era de 78%, de acordo com a Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio (Pnad).

A probabilidade de encontrar emprego é menor para as mulheres, que possuem taxas de desocupação maiores que as dos homens, e a qualidade dos empregos também é pior, indicam pesquisas da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Uma vez empregadas, as mulheres brasileiras recebem, em média, 77% da remuneração dos homens, embora trabalhem, em média, 7,5 horas a mais por semana que os homens (53,6 horas semanais de trabalho), e mais de 90% realizam atividades domésticas, enquanto entre os homens 53% dedicam parte do seu tempo ao cuidado da casa.

A OIT estima que, caso as mulheres brasileiras participassem do mercado de trabalho nas mesmas condições dos homens, o Produto Interno Bruto (PIB) cresceria até R$ 382 bilhões por ano, e a arrecadação fiscal poderia aumentar em até R$ 131 bilhões.

Em meio à severa crise econômica que o Brasil enfrenta, torna-se imprescindível discutir como inserir as mulheres na economia, não para o bem somente destas, mas de toda nossa sociedade.

Mariel Angeli Lopes
Economista do DIEESE e assessora da FITRATELP

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Comentários

%d blogueiros gostam disto: