Na Folha de 22 de março de 2017, Alexandre Schwartsmann ataca a “desonestidade intelectual de quem trata os dados de maneira desrespeitosa”, visando em particular Wagner Moura, e também a economista Laura Carvalho, quando afirmam que a expectativa de vida no Brasil é de 75 anos.

Alexandre diz que a “qualquer economista” sabe que “a expectativa de vida ao nascer é irrelevante para o tema”, continuando: “O que interessa é a expectativa de vida quando se chega à idade de aposentadoria”.

Mas há outra maneira de ler o gráfico anexado ao artigo. Pois notamos que a expectativa de vida que é de 75 anos ao nascer sobe apenas para 76 anos até a idade de 16 anos, subindo aos 20 anos de idade para 77. Mas certamente é essa a faixa de idade na qual a maior parte da população brasileira, e particularmente aquela das regiões mais pobres, começa a trabalhar.

Em outras palavras, a expectativa do indivíduo médio desde o nascimento até o início da vida profissional varia de 75 a 77 anos – não há nada de “mentiroso” no uso de 75 anos em vez de 76 anos para a expectativa de vida aos 15 anos. E na ausência dos dados completos, a expectativa de vida ao nascer é um bom “preditor” para a longevidade da população.

Suponhamos que um indivíduo “médio” aos 20 anos precise escolher um plano previdenciário. Suponhamos que a expectativa de sobrevida seja de 76 anos a essa altura (o que lemos do gráfico, embora o número não seja exibido). Se o tempo de contribuição for de 49 anos para aposentadoria integral com idade mínima de 65 anos, esse indivíduo hipotético poderia se aposentar aos 70 anos (se permanecer empregado continuamente dos 20 aos 70) com uma sobrevida de 6 anos.

Mas para Schwartsman, o único dado que interessa é que, se o cidadão em questão sobreviver até os 70 anos, ele  viverá em média até os 86 anos – com uma sobrevida de 16 anos como aposentado. De que maneira isso consola aqueles que morrerão antes dos 70 anos?

Imagine o seguinte cenário em uma região particularmente pobre e entre a faixa da população vivendo em piores condições sanitárias. Jovens de 15 anos de idade têm uma esperança de vida de 50 anos (mas se começarem a contribuir nessa idade só teriam aposentadoria integral aos 64 anos).

Mas o dado que Schwartsman diz é o único relevante é que, se jovem em questão sobreviver até os 70 anos, ele terá esperança de sobreviver até os 86 anos. Com o mesmo raciocínio, um sistema de consórcio que sorteia 10 jovens em 100 para gozar de aposentadoria integral, deixando o resto a descoberto, seria considerado “justo” pois garante aposentadoria para quem ganhou a corrida de obstáculos contra doença, desemprego, baixa instrução.

Nunca é demais lembrar o princípio de Churchill: “Há mentira, há mentira deslavada, e há estatística” (referência útil: “How to Lie with Statistics”, de Darrel Huff).

ANOTE AÍ:

Mauro Almeida, aqui em desenho de Carlos Bravo-Villalba, é acreano,  residente em São Paulo,  Ph.D. em Antropologia Social (Cambridge University, 1993) e Mestre em Ciência Política (Universidade de São Paulo, 1979).

Foi Tinker Professor na Universidade de Chicago em 2006, e fez pós-doutorado na Universidade de Stanford. É Professor no Departamento de Antropologia Social da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Áreas de pesquisa: Amazônia, reservas extrativistas, diversidade social, teoria antropológica.

Participou da criação da reserva extrativista do Alto Juruá, e do planejamento da Universidade da Floresta (Universidade Federal do Acre – Campus Floresta). Entre suas publicações está o livro “A Enciclopédia da Floresta. O Alto Juruá: prática e conhecimentos das populações, em coautoria com Manuela Carneiro da Cunha”.

 SALVE! POR FAVOR  LEIA TAMBÉM ESTA MENSAGEM DA XAPURI

Somos um veículo de comunicação alternativo e independente. Nosso trabalho consiste em  manter um espaço aberto de diálogo e de divulgação para os temas sociais e ambientais que impactam a vida das pessoas no Brasil e no mundo.

Publicamos, mensalmente, a revista Xapuri www.xapuri.info/revista. Atualizamos, diariamente, este nosso site www.xapuri.info . Toda matéria da revista ou do site é compartilhada também no Facebook Xapuri Socioambiental.  Nossas publicações são visualizadas por cerca de meio milhão de pessoas por mês. Isso não é pouca coisa!

Estamos, é claro, muito felizes com alcance do nosso trabalho. Entretanto, como toda a mídia independente do Brasil neste momento temerário de crise política, econômica, ética, e de valores, a Xapuri luta com dificuldade, mas resiste e segue firme na defesa de uma melhor qualidade de vida para as gerações presentes e futuras.

NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER.  MAS SÓ VOCÊ, COM SUA ASSINATURA, PODERÁ NOS AJUDAR A FAZER A XAPURI CONTINUAR ACONTECENDO.

ASSINAR É FÁCIL, BASTA ACESSAR www.xapuri.info/assine, ou falar conosco pelo e-mail: contato@xapuri.info.

Gratidão!

Zezé Weiss – Editora (61) 9 9967 7943 – zap

About The Author

Related Posts

Deixe uma resposta