Nós não esqueceremos…

Claudia Grabois 

Não esqueceremos dos rostos imorais dos que “depois” disseram que foram obrigados, e não esqueceremos dos sorrisos dos transeúntes observadores… jamais.
 
Lembraremos sempre deste dia, da Shoah e da falência moral da humanidade, que observou, sorriu e usufrui de atrocidades e no pos-guerra seguiu vivendo…
 
O sistema judicial da Alemanha estava pleno de nazistas e poucos foram punidos, sabemos:…
e nas escolas o silêncio durou 20 anos… pacto, reconstrução… imoral.
 
Não esquecermos deste dia, não esqueceremos da Shoah, da besta nazista, não esqueceremos do silêncio do mundo.
 
Não esqueceremos do extermínio de 6.000.000 de judeus e judias e da omissão, do apoio, da banalização do mal, da imoralidade das pessoas que viviam como se nada estivesse acontecendo; elas não se importavam, não se importaram.
 
#NosLembramos #WeRemember
 
Nunca mais! Nós sempre nos  lembraremos!
Nos lembramos é ação diária pela memória e verdade; nós lembramos é atitude. Lembramos, lembraremos e faremos lembrar.
Pode ser uma imagem de 5 pessoas e pessoas em pé
 
Block
 

SHOÁ 

Holocausto (em grego: ὁλόκαυστοςholókaustos: ὅλος, “todo” e καυστον, “queimado”),[1 também conhecido como Shoá (em hebraico: השואהHaShoá, “a catástrofe”; em iídiche: חורבןChurben ou Hurban, do hebraico para “destruição”), foi o genocídio ou assassinato em massa de cerca de seis milhões de judeus durante a Segunda Guerra Mundial, no maior genocídio do século XX, através de um programa sistemático de extermínio étnico patrocinado pelo Estado nazista, liderado por Adolf Hitler e pelo Partido Nazista e que ocorreu em todo o Terceiro Reich e nos territórios ocupados pelos alemães durante a guerra. Dos nove milhões de judeus que residiam na Europa antes do Holocausto, cerca de dois terços foram mortos; mais de um milhão de crianças, dois milhões de mulheres e três milhões de homens judeus morreram durante o período.
Apesar de ainda haver discussão sobre o uso e abrangência do termo “Holocausto”, o genocídio nazista contra os judeus foi parte de um conjunto mais amplo de atos de opressão e de assassinatos em massa agregados cometidos pelo governo nazista contra vários grupos étnicos, políticos e sociais na Europa.
 Entre as principais vítimas não judias do genocídio estão ciganos, poloneses, comunistas, homossexuais, prisioneiros de guerra soviéticos, Testemunhas de Jeová e deficientes físicos e mentais. Segundo estimativas recentes baseadas em números obtidos desde a queda da União Soviética em 1991, um total de cerca de onze milhões de civis (principalmente eslavos) e prisioneiros de guerra foram intencionalmente mortos pelo regime nazista.
Uma rede de mais de quarenta mil instalações na Alemanha e nos territórios ocupados pelos nazistas foi utilizada para concentrar, manter, explorar e matar judeus e outras vítimas. A perseguição e o genocídio foram realizados em etapas.
Várias leis para excluir os judeus da sociedade civil — com maior destaque para as Leis de Nuremberg de 1935 — foram decretadas na Alemanha antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial na Europa. Campos de concentração foram criados e os presos enviados para lá eram submetidos a trabalho escravo até morrerem de exaustão ou por alguma doença.
Quando a Alemanha ocupou novos territórios na Europa Oriental, unidades paramilitares especializadas chamadas Einsatzgruppen assassinaram mais de um milhão de judeus e adversários políticos por meio de fuzilamentos em massa.
Os alemães confinaram judeus e ciganos em guetos superlotados, até serem transportados, através de trens de carga, para campos de extermínio, onde, se sobrevivessem à viagem, a maioria era sistematicamente morta em câmaras de gás. Cada ramo da burocracia alemã estava envolvido na logística que levou ao extermínio, o que faz com que alguns classifiquem o Terceiro Reich como um “um Estado genocida”.
Em 2007, entrou em vigor uma lei sancionada pela União Europeia (UE) que pune com prisão quem negar o Holocausto. Em 2010, a UE também criou a base de dados europeia EHRI (em inglês: European Holocaust Research Infrastructure) para pesquisar e unificar arquivos sobre o genocídio.
 A Organização das Nações Unidas (ONU) homenageia as vítimas do Holocausto desde 2005, ao tornar 27 de janeiro o Dia Internacional da Lembrança do Holocausto, por ser o dia em que os prisioneiros do campo de concentração de Auschwitz foram libertos.

SEGUE DEPOIS DO ANÚNCIO