14 de junho –  Data do aniversário de nascimento do Che Guevara. O mundo inteiro celebra a revolucionária jornada daquele que ousou sonhar, ousar lutar e ousou morrer  defendendo um mundo melhor para as gerações presentes e futuras.

No Brasil, dia de mais uma vergonha nacional: Balas assassinas de fazendeiros armados fizeram tombar mais uma liderança Guarani-Kaiowá. Cloudiodi Aquileu  Rodrigues de Souza foi assassinado próximo à aldeia Te’ Ýikuê, na região de Caarapó, no Mato Grosso do Sul. Além da morte da morte de uma liderança, cinco indígenas adultos e uma criança de 12 anos, atingida no abdomen, foram hospitalizados em estado grave.  E também há relatos de desaparecidos.

Segundo o Instituto Socioambiental, autor da denúncia para o Brasil e para o mundo, cerca de 70 fazendeiros armados investiram com suas caminhonetes sobre uma assembleia indígena de que participavam mais de mil gindígenas. Antes do ataque, atearam fogo nas motocicletas da comunidade indígena. Existem relatos de que depois do massacre, o povo Guarani-Kaiowá não abandou a terra onde estava, mas se dispersou para áreas mais isoladas.

Cloudiodi Aquileu Rodrigues de Souza Guarani-Kaiowá, de apenas vinte e poucos  anos, era filho de filho de Leonardo Souza, o vice-capitão da Reserva Indígena Caarapó, também conhecida como aldeia Te’ýikue, e trabalhava como agente de saúde indígena na comunidade.

Notas de pesar foram emitidas pela Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB, pelo Conselho Indígena Missionário,  pelas Agências Ecumênicas, Entidades Ecumênicas, Movimentos Sociais e Organizações não Governamentais que integram o PAD e o FEACT-Brasil,pela Funai  e pela Secretaria Especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde.

NOTA DA APIB –
NOTA DE REPÚDIO PELO ASSASSINATO DE CLODIODI AQUILEU RODRIGUES DE SOUZA GUARANI-KAIOWÁ

A Articulação dos Povos Indígenas do Brasil – APIB, manifesta por meio desta nota a sua veemente indignação e repúdio contra o covarde ataque perpetrado por fazendeiros de Mato Grosso do Sul contra o povo Guarani-Kaiowá, do tekohá Tey Jusu,na última terça-feira, 14/06, na região de Caarapó, no sul deste estado.e que resultou no assassinato do agente de saúde indígena Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza Guarani-Kaiowá, 26, e ferimento à bala de outros cinco indígenas, inclusive de uma criança.

APIB exige do governo interino de Michel Temer a imediata apuração deste crime e a punição dos responsáveis, donos ou capangas do agronegócio, organizados em verdadeiras milícias, cujos representantes no Congresso Nacional empreendem uma ofensiva sem precedentes na tentativa de suprimir os direitos territoriais dos povos indígenas conquistados com muita luta na constituinte de 1988.

Os povos indígenas e seus aliados no âmbito nacional e internacional reivindicam o restabelecimento da democracia e do Estado de Direito que estes representantes do poder econômico tentam reverter nos territórios, com o uso impune da violência, e ainda em nome da ordem e do progresso.
Os povos e organizações indígenas, respaldados pela Constituição Federal que assegura a eles o direito originário a suas terras, jamais permitirão que invasores de quaisquer tipo queiram se sobrepor à lei e ao direito.

Brasília – DF, 15 de junho de 2015.

ARTICULAÇÃO DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL – APIB
MOBILIZAÇÃO NACIONAL INDÍGENA
APOINME – ARPIN SUDESTE – ARPINSUL – COIAB – Comissão Guarani Yvyrupa – Conselho do Povo Terena – ATY GUASU

NOTA DO CIMI

O Conselho Indigenista Missionário – Cimi denuncia e repudia a ação paramilitar realizada por fazendeiros contra famílias do povo Guarani-Kaiowá, do tekohá Tey Jusu, na região de Caarapó, no estado do Mato Grosso do Sul, nesta terça-feira, 14, que resultou no assassinato do jovem Clodiodi Aquileu Rodrigues de Souza Guarani-Kaiowá, 26, além de ao menos seis feridos à bala, inclusive uma criança de doze anos baleada no abdômen.

Constatamos, com preocupação, que ações paraestatais realizadas por setores do agronegócio tem sido recorrentes no Mato Grosso do Sul. Desde agosto de 2015, quando foi assassinado o líder Simeão Vilhalva, no tekohá Nhenderú Marangatu, foram registrados mais de 25 ataques paramilitares contra comunidades do povo Guarani-Kaiowá no estado. Demonstrando profundo desrespeito ao Estado de Direito e agindo na completa impunidade, latifundiários têm optado pela prática corriqueira da “injustiça pelas próprias mãos” no estado.

Consideramos que a atuação de parlamentares ruralistas na tentativa de aprovar proposições legislativas, como a PEC 215/00, e no âmbito de Comissões Parlamentares de Inquérito, como a CPI do Cimi e a CPI da Funai/Incra, contribuem para aprofundar o sentimento de ódio aos indígenas, agravando ainda mais a situação de violência contra os povos originários no Brasil e, de modo especial, no Mato Grosso do Sul.

O Cimi solidariza-se com os Guarani-Kaiowá, especialmente com os familiares da liderança assassinada e dos feridos, e exige que o Ministério da Justiça tome providências imediatas e efetivas a fim de fazer cessar os ataques paramilitares contra comunidades indígenas no Mato Grosso do Sul, bem como, para identificar e punir os assassinos de mais uma liderança indígena daquele estado.

Causa vergonha nacional e internacional ao Brasil o fato de setores do agronegócio exportador de commodities agrícolas continuar assassinando líderes de povos originários de nosso país.

O genocídio Guarani-Kaiowá avança pelas mãos do agrocrime no Mato Grosso do Sul.

Brasília, 14 de junho de 2016
Conselho Indigenista Missionário – Cimi

NOTA DAS AGÊNCIAS  DO PAD/FEACT-BRASIL

As organizações, igrejas e agências que compõem o PAD e o FEACT-Brasil, que em outubro passado realizaram uma missão ecumênica em apoio aos Guarani-Kaiowá, vêm outra vez manifestar primeiramente sua solidariedade aos povos indígenas do Mato Grosso do Sul, diante do assassinato de mais uma liderança e do grave ferimento a bala de mais cinco indígenas.

O ataque aos Guarani-Kaiowá aconteceu nessa terça-feira, 14 de junho,quando mais de 70 fazendeiros e pistoleiros invadiram a comunidade Guarani-Kaiowá no tekohá TeyiJusu, município de Caarapó-MS e colocaram fogo nos pertences dos indígenas.

O líder indígena Cloudione Rodrigues Souza foi assassinado com um tiro na cabeça, disparado por pistoleiros no momento da chegada. Os ataques dos latifundiários teriam sido reação à retomada que os indígenas fizeram de suas terras. Cansados de esperar por providências, no último domingo, dia 12, um grupo significativo de indígenas reocupou as terras da fazenda Ivu, que já haviam sido demarcadas pelo Governo Federal, como sendo da etnia Guarani-Kaiowá.

PAD e FEACT- Brasil repudiam com veemência estas ações paramilitares, que com a conivência do poder público, culminaram em mais um líder indígena assassinado em terras brasileiras e cinco indígenas feridos com risco de morte. Exigimos providências imediatas frente a mais esse ataque dos ruralistas. Um massacre contra os indígenas Guarani-Kaiowá está em curso no estado de Mato Grosso do Sul. É urgente a intervenção do Ministério da Justiça em defesa da vida e da garantia de direitos dos povos originários deste estado, inclusive com a apuração dos fatos e a punição dos autores do assassinato da liderança indígena.

Conclamamos todas as organizações e movimentos a se unirem em prol da defesa dos direitos fundamentais dos povos indígenas, principalmente do direito originário às suas terras, garantidos pela Constituição Brasileira e por tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário.

Brasil, 14 de junho de 2016.

NOTA DA FUNAI

A Funai vem a público lamentar a morte do agente de saúde indígena Clodiode Aquileu Rodrigues de Souza, de 26 anos, e a situação dos cinco indígenas adultos e de uma criança, todos feridos em estado grave em decorrência de ataque sofrido na Terra Indígena Dourados Amambaipeguá I.

A instituição manifesta sua solidariedade ao povo indígena Guarani Kaiowá e o compromisso de atuar na mobilização das autoridades de segurança objetivando a apuração de responsabilidades pelo óbito e pela lesão aos indígenas que se encontram feridos.

A instituição encontra-se, nesse momento, dialogando com o Ministério da Justiça, o Ministério Público Federal e a Polícia Federal para uma intervenção imediata na contenção do conflito na região.

Os Guarani Kaiowá lutam há décadas pela regularização fundiária de seus territórios de ocupação tradicional, e a Funai condena toda e qualquer reação desproporcional embasada em atos de força e de violência contra o povo indígena.

Como órgão indigenista oficial do Estado brasileiro, acredita no diálogo, no respeito mútuo e na construção de um pacto governamental e social amplo para solucionar os problemas enfrentados por povos indígenas e produtores rurais no Cone Sul do estado do Mato Grosso do Sul.

Nesse sentido, vem trabalhando com o objetivo de garantir os direitos do povo Guarani Kaiowá e levá-los a superar as situações de conflito, de insegurança e de vulnerabilidade social que vivenciam no atual contexto de confinamento territorial e de permanente restrição de direitos aos seus modos de vida.

Fundação Nacional do Índio

14 de junho de 2016.

NOTA DO MINISTÉRIO DA SAÚDE
A Sesai – Secretaria Especial de Saúde Indígena·Terça, 14 de junho de 2016
A Secretaria Especial de Saúde Indígena do ministério da Saúde (Sesai/MS) manifesta pesar aos familiares do agente de saúde indígena, Cloudione Rodrigues Souza, 26 anos, da etnia guarani-kaiowá, falecido nesta terça-feira (14/6), em decorrência de conflitos étnicos na região de Caarapó, em Mato Grosso do Sul.
O jovem agente foi morto covardemente, por homens armados que atiraram em cerca de mil indígenas, incluindo quatro agentes de saúde indígena, que estavam reunidos no território próximo a aldeia Te’ Ýikuê, quando foram surpreendidos por homens armados, em aproximadamente 60 veículos (camionetes).
Que Deus proteja e conforte todos os povos indígenas e familiares neste momento de dor.

MOÇÃO DE REPÚDIO DOS PROFESSORES DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL

Os Professores da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul – Unidade de Paranaíba vêm a público declarar seus mais veementes protestos à ação dos fazendeiros que atacaram de forma tão violenta quanto covarde famílias de indígenas GuaraniKaiowá nas proximidades do município de Caarapó – MS, no último dia 14.

O ataque, repentino, resultou no assassinato do jovem Clodiode Aguileu Rodrigues, de 20 anos, além de uma dezena de feridos, dentre eles crianças.

Sabemos que o triste episódio é, lamentavelmente, apenas mais um capítulo dessa guerra longa, injusta e desigual entre latifundiários de uma das regiões de maior concentração de terras do país e seus habitantes primeiros.

É inadmissível que se perpetue o genocídio praticado contra os povos indígenas. Resolver definitivamente este interminável processo é responsabilidade do Estado.

Exigimos, nesse sentido, que o Governo do Estado do Mato Grosso do Sul e o Governo Federal não poupem esforços na investigação da identidade de todos os que participaram da ação, bem como seus mandantes. E que os responsáveis sejam devidamente punidos de acordo com o que manda a Lei.

Exigimos, ainda, que o Ministério da Justiça e o Governo Federal concluam imediatamente o processo de demarcação, garantindo a terra àqueles que original e tradicionalmente a ocuparam, como determina a Constituição.

Paranaíba, 16 de junho de 2016.

About The Author

Xapuri

Related Posts

Deixe uma resposta