As Mulheres na Ditadura  

Por Ivete Caribé da Rocha

Os anos 60 E 70, foram marcantes para a liberação das mulheres. O movimento hippie, pregando a liberdade, a paz e o amor, foi também um protesto à guerra deflagrada pelos norte americanos contra o Vietnã, mas teve uma grande influência no comportamento das mulheres, dando início a um período mais liberal.

Nessa década aconteceram os movimentos organizados e protestos dos estudantes por todo o mundo. No Brasil, com a implantação da ditadura civil militar através do golpe de 1964, vieram muitas mudanças no ensino público, sob a cartilha do acordo MEC-USAID, imposto pelos EUA. Entre as várias mudanças nos métodos de ensino, ainda cogitava-se que todas as universidades públicas, passassem a ser pagas. Essas questões e mais a falta de liberdades, fizeram eclodir protestos em todo o País e a repressão militar passou a agir com uma crescente violência.

Em 13 de dezembro de 1968, o governo ditatorial baixou o Ato Institucional nº 5 (AI-5), concedendo amplos poderes ao presidente da República, inclusive, o de cassar mandatos de deputados, senadores, vereadores e ministros e intervir nos Estados e Municípios, além de suprimir a liberdade de imprensa e de manifestações populares e de suspender o habeas corpus para diversas situações.

Diante dessa completa quebra do estado de direito e das prisões que passaram a ocorrer, os partidos de esquerda se organizam para a resistência. Estudantes e trabalhadores foram os que mais responderam ao chamado e as mulheres vieram juntas para essa resistência, nas Escolas, Universidades e fábricas.

A resposta do aparato repressivo da ditadura civil-militar, foi muito cruel e atingiu especialmente as mulheres que ousaram resistir às graves violações do regime que pôs fim as liberdades, perseguindo, prendendo, torturando e assassinando quem era apontada como inimiga do regime.

As mulheres sofreram as mais graves e degradantes torturas, sendo expostas a toda espécie de vilipendio de seus corpos, choques elétricos nos seios e órgãos genitais, pancadas nas faces, estupros coletivos, humilhações e ofensas com palavras de baixo calão, foram fatos relatados às Comissões Estaduais da Verdade e a Comissão Nacional, através de depoimentos de vítimas e testemunhas.

E foi justamente uma mulher que sofreu prisões, graves torturas, viu e deu forças a companheiras que passaram pelos mesmos covardes torturadores, a presidenta Dilma Rousseff, quem teve a coragem de criar a Comissão Nacional da Verdade, que investigou as graves violações da Ditadura Civil-Militar de 1964.

Um olhar pela história das ditaduras do Cone Sul, mostra que em todos os regimes instalados nas décadas de 1960 a 1980, as mulheres foram alvo da maior crueldade e covardia dos repressores. Ao visitar Centros de Memória da Argentina e Chile, impressiona o número de mulheres desaparecidas, assassinadas e torturadas.

Todas jovens, estudantes ou trabalhadoras. No Memorial da Escola de Armada (ESMA), em Buenos Aires, no sótão de um dos prédios, está preservado o local onde as mulheres grávidas eram levadas até o momento de dar à luz, logo após, os bebês eram levados pelos militares e as mães, em geral, colocadas nos “voos da morte” e atiradas ao mar. O local onde essas mulheres aguardavam o nascimento de seus bebês, eram pequenos cubículos, sem janelas, apenas com uma porta de ferro e uma abertura nessa porta.

A Comissão Estadual da Verdade Teresa Urban, realizou inúmeras audiências públicas e ouviu muitos depoimentos de mulheres alcançadas pela violência do regime ditatorial. Entre esses depoimentos, alguns foram marcantes. O da própria Teresa Urban, que dá nome à Comissão da Verdade do Paraná, que foi militante estudantil nos anos mais duros, entre 1968 e 1972, presa e indiciada pela Justiça Militar, teve de exilar-se no Chile e ao retornar, em 1973, com dois filhos pequenos, foi presa, só saindo para prisão domiciliar, pela interferência da Irmã Araújo.

Outro depoimento feito em conjunto com a Comissão Nacional da Verdade, foi o de Isabel Fávero, em Foz do Iguaçu, relatando as inúmeras torturas que sofreu no Batalhão de Fronteiras, além de ouvir os gritos de seu marido durante as sessões de choques elétricos e outras torturas.

Outras mulheres também revelaram suas histórias de lutas e prisões, como a Dra. Clair da Flora Martins, Ana Beatriz Fortes, a Professora Zelia Passos e a professora Judite, entre tantas bravas e corajosas.

Teresa Urban. Foto: Gazeta do Povo

As mulheres foram fundamentais na luta pelo fim da ditadura civil-militar e pela Lei de Anistia. Constituíram Comitês por todo o Brasil e enfrentaram todas as faces do terrorismo de estado, com muito destemor. A primeira presidenta e fundadora da Comissão de Anistia, foi Terezinha Zerbini, mulher de um general preso na ditadura, ela também ex-presa politica, não se deixou jamais vencer pelo medo, a despeito de muitas ameaças que sofreu.

Não se pode esquecer do Movimento das Mães da Praça de Maio, em Buenos Aires, ainda durante o período da ditadura na Argentina, que reclamavam pelas filhas, filhos e netos desaparecidos, netos que foram criados pelos próprios militares repressores e que até hoje são descobertos pelas avós. Foi essa luta diária, sem violência, mas resistente e corajosa, que deu visibilidade aos horrores da ditadura e ao fim de um dos regimes mais violentos da América Latina.

Nossas homenagens e eterno agradecimento a todas essas valorosas mulheres e aquelas que a história não logrou conhecer pela coragem e exemplo que nos legaram!

Ivete Caribé da Rocha é advogada e integrante da Comissão Estadual da Verdade Teresa Urban – GT Operação Condor Fonte desta matéria: Professora Josete  Dica da historiadora Marcia Medeiros, de Curitiba

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

2 Responses

Comentários

%d blogueiros gostam disto: