fbpx
"É um reconhecimento à luta indígena no Brasil", diz Sonia Guajajara sobre lista da "Time"

“É um reconhecimento à luta indígena no Brasil”, diz Sonia Guajajara sobre lista da “Time”

“É um reconhecimento à luta indígena no Brasil”, diz Sonia Guajajara sobre lista da “Time”
 
Pré-candidata a deputada federal, liderança indígena acredita que homenagem da revista pode aumentar visibilidade…

Por Felipe Mendes/via Brasil Popular

Foi com supresa e emoção que Sônia Guajajara recebeu a indicação para a lista das 100 pessoas mais influentes do mundo pela revista estadounidense Time nesta segunda (23). Ela acredita que o reconhecimento internacional é uma conquista para todas as pessoas que participam ativamente da luta indígena no Brasil.
“Não é um reconhecimento da luta da Sônia, é um reconhecimento coletivo depois de tudo que a gente vem fazendo pra combater ataques, retrocessos, retirada de direitos. É um esforço que a gente faz todos os dias”, disse, em entrevista ao Brasil de Fato.
Para Sônia, o reconhecimento vem em boa hora e ajuda a dar visibilidade para as pautas indígenas, tanto dentro quanto fora do país. Ela acredita que é necessário que mais pessoas saibam a importância dos povos originários.
“É o momento pra gente sensibilizar as pessoas e conscientizar sobre o papel dos povos e dos territórios indígenas pra toda humanidade, a importância dos territórios protegidos, a demarcação das terras indígenas”, disse.
Sônia afirma que a postura do governo Bolsonaro contra os indígenas e o aumento da violência contra os povos originários estão diretamente ligadas. Para ela, muitas agressões são realizadas por pessoas que “se sentem autorizadas” pela postura do governo. Por isso, o ganho de visibilidade é ainda mais importante.
“Nos últimos anos a gente sentiu que as pessoas passaram a entender melhor e se importar mais com a pauta indígena. A classe artística tem manifestado mais apoio, participado das mobilizações, e eles atingem um público que a gente geralmente não consegue atingir”, destaca.
Pré-candidata a deputada federal pelo PSOL de São Paulo, Sônia Guajajara disse que é preciso fortalecer a luta indígena também nos espaços institucionais. Junto a outras lideranças indígenas ela criou a “bancada do cocar”, com o objetivo de fazer oposição consistente à bancada ruralista. Hoje, a deputada Joenia Wapichana (Rede-RR) é a única representante dos povos indígenas no congresso.
“Ali no congresso precisa ter a voz da terra, voz da floresta, da biodiversidade. E quem faz essa representação legítima somos nós, indígenas, que nos entendemos com a floresta e o meio ambiente. A gente não quer mais ser só representado, queremos ser nossos próprios representantes”, destacou.
“Lula sinalizou com um ministério dos povos indígenas. Pra gente isso é importante, pode aglutinar ali toda a política indigenista, mas queremos também participar da discussão da construção do país com representação indígena forte também em outros ministérios, como o da Saúde, o da Educação e do Meio Ambiente. Queremos estar juntos na reconstrução de direitos perdidos nos últimos anos”, concluiu.
Block

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto em nossa loja solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação de qualquer valor via pix ( contato@xapuri.info). Gratidão!

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!