Afinal, o que é Ecofeminismo?

Por Vanessa Lemgruber

Pachamama, Gaia, Mãe Terra, Onilé. Com certeza você já ouviu esses nomes longo da sua vida.

O ecofeminismo também estuda essas associações do feminino com a natureza, mas problematiza além, abordando aspectos práticos no cotidiano e em políticas públicas.

A primeira a utilizar esse termo foi pela filósofa francesa Françoise d’Eaubonne em 1974. Conforme ela afirmava em seus livros, todo movimento de mulheres desaguaria na defesa ambiental, e que todo movimento ambientalista se associaria na defesa dos direitos das mulheres. Em claro português: essas perspectivas precisam se juntar.

Mas por que ela dizia isso? Ou melhor, por que várias mulheres ecofeministas mantém essa afirmação?

Assim como uma mesma moeda tem duas faces, nossa resposta a essa questão também. Por um lado, as mulheres foram socialmente ensinadas a realizar os serviços não remunerados de cuidado, tais como a manutenção do âmbito doméstico e da Terra enquanto casa comum, no manejo das águas e na busca por alimentos de qualidade. E, de outro lado, na ocorrência de desastres ambiental, são elas quem sofrerão mais severamente as consequências das enchentes, das mudanças climáticas, do uso inadequado de pesticidas.

Conforme relatório da Organização das Nações Unidas de 2014, quase 80% da produção de alimentos orgânicos de países subdesenvolvidos são produzidos por mulheres na agricultura. Porém, nem 13% delas são proprietárias da terra. Ou seja, apesar de exercerem o ofício, os referenciais masculinos que obtém o lucro, enquanto o nome
delas permanece invisível.

A pesquisa feita pela Fundação Heinrich Böll e divulgada por meio da publicação do Atlas do Plástico em 2020 igualmente demonstra situação desfavorável às mulheres, cujo contato com tais substâncias é mais grave, tanto por questões biológicas quando de socialização cultural.

Quanto ao aspecto biológico, o corpo feminino é mais sensível a toxinas químicas advindas do contato com o plástico durante a gravidez, porque contém naturalmente mais gordura do que o masculino e acumula substâncias solúveis em óleo como os plastificantes utilizados no PVC.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Microplásticos já foram encontrados dentro da placenta humana e o contato pode desregular o sistema endócrino e gerar complicações. Quanto à socialização cultural, mulheres são ensinadas a manter uma rotina de beleza que as coloca diretamente em contato com toxinas.

Para citar um exemplo mencionado pela Fundação Heinrich Böll, os absorventes plásticos descartáveis, facilmente substituíveis por versões não só mais ecológicas para o planeta, mas também para o próprio corpo.

Ruins para o planeta, pois, durante a média de anos de menstruação, são produzidos cerca de 150kg de lixo que acaba em sistemas de esgoto, fontes de água e aterros sanitários. Ruins para o corpo, pois podem causar
alergias, irritações e intoxicações.

Bem. Agora que entendemos o porquê da aproximação necessária dos movimentos ambientais e feministas, o que exatamente propõe o ecofeminismo?

O pensamento ecofeminista propõe que as causas dos maus-tratos às mulheres e ao meio ambiente surgem do mesmo lugar, qual seja, a cultura patriarcal assentada em valores universalistas de dominação, exploração, guerra e conquista. Ora, a imagem deturpada de um homem viril nos leva a imaginar uma pessoa que domina e impõe.

Em outras palavras, a visão ecofeminista de mundo propõe a interconectividade, abordando a subjugação das mulheres sob a mesma égide da depredação ambiental, no reconhecimento de injustiças e de
tratamentos marginalizantes.

Ficou curiosa para saber mais? Reencontramo-nos em breve em mais um texto. Até!

Vanessa Lemgruber é mestra em direito e advogada. Autora do livro pioneiro no Brasil “Guia Ecofeminista – mulheres, direito, ecologia” (editora Ape’Ku/2020). Instagram @ecofeminismo.vanessalemgruber. A obra pode ser adquirida diretamente com a autora ou na Amazon https://amzn.to/3qiKAYm

Imagem interna: Modefica. Capa: Abraço Cultural. 

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]