Desde o início de setembro, o litoral nordestino vem sendo ocupado por manchas de petróleo, vindas sabe-se lá de onde. Mas é fato que todo o ecossistema da região vem sendo afetado pela poluição, incluindo a fauna marinha. Um dos primeiros animais a aparecerem com o corpo tomado pelo piche foi uma tartaruga-de-pente.

Nas últimas semanas, o Projeto Tamar/Fundação Pró-Tamar está monitorando intensamente as praias de Sergipe e do litoral norte da Bahia, áreas consideradas prioritárias para a reprodução e conservação de três das cinco espécies de tartarugas marinhas que ocorrem no litoral brasileiro: a tartaruga-oliva (Lepidochelys olivacea), a tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta), e a tartaruga-de-pente (Eretmochelys imbricata).

Estas áreas são monitoradas pelo Projeto Tamar há 40 anos para garantir a proteção das fêmeas, dos ninhos e dos filhotes.

Conforme metodologia estabelecida em nível nacional, as equipes de campo mantêm as desovas nos locais de origem (in situ), ou seja, nos locais escolhidos pelas tartarugas fêmeas. Manter os ninhos nos locais de origem garante o desenvolvimento dos filhotes sem interferência humana, em condições naturais de incubação.

Em áreas de maior risco (devido à urbanização ou suscetíveis à erosão pelo regime de marés), os ninhos são transferidos no dia da postura para outros locais da praia ou transferidos para o cercado de incubação presente nas instalações da fundação. As transferências são realizadas pela equipe de pesquisadores do Projeto Tamar, capacitados para fazer a coleta e o transporte dos ovos até o local mais adequado para sua permanência.

Esses ninhos, assim como os que permanecem in situ, são monitorados até o nascimento dos filhotes. Essa medida já faz parte das atividades de conservação do Projeto Tamar/Fundação Pró Tamar, e o protocolo padrão de avaliação e transferência de ninhos segue em andamento, agora considerando a presença de óleo nas diferentes praias.

O encalhe de óleo nas praias tem se alterado todos os dias, em razão de sua dispersão, influenciada pelas condições de vento e das correntes marinhas. Em função do acidente, as equipes aumentaram significativamente o esforço de monitoramento para garantir que os filhotes eclodidos provenientes de ninhos in situ não fiquem presos nas manchas de óleo.

Nas áreas mais afetadas, membros da nossa equipe estão retendo os filhotes no momento do nascimento e, com base em uma avaliação diária da situação das praias, fornecida pelos órgãos responsáveis, eles são levados a áreas de menor risco, para serem soltos no mar. Essas e outras medidas aplicadas pela fundação ocorrem sob orientação do ICMBio.

Fonte: www.tamar.org.br.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.