Conheça as propostas antagônicas de Bolsonaro e Haddad para a economia

O candidato que assumir a presidência da República a partir do dia 1º de janeiro de 2019 encontrará um país com um quadro econômico sombrio. A recessão dos últimos anos deixou o Brasil com 13 milhões de desempregados, 4,8 milhões de desalentados – aqueles que desistiram de procurar emprego – e contas públicas desequilibradas, com déficit primário estimado em R$ 159 bilhões para este ano.

Em uma das mais polarizadas disputas desde a redemocratização, em 1985, os candidatos Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) apresentam propostas antagônicas para a área. Enquanto Bolsonaro apresenta ideias liberais, como a diminuição do tamanho do Estado e o incentivo ao setor privado, Haddad defende ainda mais intervenção estatal, com vistas à geração de empregos e renda.

Veja os planos de governo de Fernando Haddad e Jair Bolsonaro

Bolsonaro – que, enquanto deputado federal, defendeu uma maior participação do Estado na economia e votou contra o Plano Real e contra as privatizações do governo de Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), por exemplo – agora é defensor do livre mercado. Assessorado pelo economista Paulo Guedes, já anunciado para o ministério da Fazenda em um eventual governo seu, o candidato do PSL incluiu no programa de governo a proposta de implantar no Brasil o ideais do liberalismo.

“As economias de mercado são historicamente o maior instrumento de geração de renda, emprego, prosperidade e inclusão social. Graças ao liberalismo, bilhões de pessoa estão sendo salvas da miséria em todo o mundo. Mesmo assim, o Brasil nunca adotou em sua história republicana os princípios liberais”, diz o documento.

<< Bolsonaro quer fortalecer laços com os EUA; Haddad mira Brics e sul-americanos na política externa

Já Haddad tem um projeto desenvolvimentista, nos moldes do que foi feito durante os governos do PT. Tal modelo tem o Estado como responsável por investimentos, geração de emprego e aumento da renda dos brasileiros.

“O Estado deve ter o tamanho necessário para promover a justa regulação da economia e da sociedade e para a prestação de serviços públicos eficientes e de qualidade para o povo, de movo a alterar estruturas burocráticas que, embora aparentemente neutras, atuam no sentido de preservar e reforçar as profundas desigualdades sociais”, diz o plano de governo do candidato.

continua depois da propaganda
Economia Haddad

Haddad quer retomar modelo sócio-econômico implementado nos governos petistas, mas com correção dos erros que ele mesmo aponta nas gestões passadas – Foto: Ricardo Stuckert / Instituto Lula

Enquanto Haddad faz referências aos anos de crescimento com baixa inflação dos governos Lula (2003-2010) e culpa os “golpistas” pela recessão, Bolsonaro diz que o “problema é o legado do PT de ineficiência e corrupção”. Independentemente de culpados, as soluções não são simples. O Congresso em Foco analisou os programas de governos dos candidatos para entender o que eles propõem em diversas áreas da economia.

Veja o que dizem os candidatos em seus planos de governo:

Emprego

Os dois candidatos concordam que o desemprego é um dos maiores problemas do país e precisa ser enfrentando.

continua depois da propaganda

Para resolver o problema, Haddad propõe a criação do programa Meu Emprego de Novo, com objetivo de “elevar a renda, ampliar o crédito e gerar novas oportunidades de trabalho”. Entre as ações planejadas, o documento cita: “Retomada das 2.800 grandes obras paradas em todo o país, selecionadas por importância estratégica regional, bem como as pequenas iniciativas no plano municipal e estadual”; “criação do programa dívida zero, que prevê a instituição de linha de crédito em Banco público com juros e prazos acessíveis, para atender às pessoas que hoje se encontram no cadastro negativo do SPC [Serviço de Proteção ao Crédito] e Serasa” – essa proposta é muito parecida com o carro-chefe da campanha de Ciro Gomes (PDT), que ficou em terceiro lugar nas pesquisas: retirar o nome dos brasileiros do SPC.

O programa de Bolsonaro defende a retomada do crescimento e a melhora do ambiente econômico do país para resolver a alta taxa de desemprego. “Quebraremos o círculo vicioso do crescimento da dívida, substituindo-o pelo círculo virtuoso de menores déficits, dívida decrescente e juros mais baixos. Isso estimulará os investimentos, o crescimento e a consequente geração de empregos”, diz o documento do candidato.

Bolsonaro também propõe a criação de uma nova carteira de trabalho, a “CLT verde e amarela”.

“Assim, todo jovem que ingresse no mercado de trabalho poderá escolher entre um vínculo empregatício baseado na carteira de trabalho tradicional (azul) – mantendo o ordenamento jurídico atual –, ou uma carteira de trabalho verde e amarela (onde o contrato individual prevalece sobre a CLT, mantendo todos os direitos constitucionais).”

Impostos

continua depois da propaganda

Bolsonaro propõe uma reforma no sistema tributário que inclui gradativa redução da carga tributária bruta brasileira, paralelamente ao espaço criado por controle de gastos e programas de desburocratização e privatização; simplificação de tributos para “melhorar a carga tributária brasileira fazendo com que os que pagam muito paguem menos e os que sonegam e burlam, paguem mais”.

Por sua vez, Haddad defende uma reforma tributária orientada pelos princípios da “progressividade, simplicidade, eficiência e da promoção da transição ecológica, garantindo que os entes federados não tenham perda de arrecadação”.

Na reforma, ele defende a “tributação direta sobre lucros e dividendos e a criação e implementação gradual de Imposto sobre Valor Agregado (IVA), que substitua a atual estrutura de impostos indiretos”. O plano propõe ainda a criação do “imposto de renda justo, que prevê reestruturação da tabela do imposto de pessoa física, para isentar quem ganha até cinco salários mínimos (R$ 4.770), condicionado ao amento das alíquotas para os super ricos”.

Previdência

O déficit – diferença entre tudo que foi arrecado e gasto pelo sistema – da Previdência no ano passado foi de R$ 268,8 bilhões, segundo o governo Temer. Isso inclui todos os regimes, os trabalhadores das áreas urbanas e rurais, contribuidores do setor público e privado e trabalhadores civis e militares.

continua depois da propaganda

Os dois candidatos já sinalizaram que não querem votar a reforma da Previdência enviada ao Congresso pelo impopular presidente Michel Temer (MDB), mas ambos abordam o tema em seus programas de governo.

O candidato do PT promete “combater, na ponta dos gastos, privilégios previdenciários incompatíveis com a realidade da classe trabalhadora brasileira”, mas quer manter a integração do sistema previdenciário à Seguridade Social, como prevê a Constituição.

“Rejeitamos os postulados das reformas neoliberais da Previdência Social, em que a garantia dos direitos das futuras gerações é apresentada como um interesse oposto aos direitos da classe trabalhadora e do povo mais pobre no momento presente”, anota o petista.

Além disso, Haddad propõe a convergência entre os regimes próprios da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios com o regime geral.

 

Economia Bolsonaro

Bolsonaro agora encarna perfil liberal, mas teve atuação contrária a privatizações, por exemplo, como deputado – Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

continua depois da propaganda

Já o programa de Bolsonaro defende uma reforma da Previdência para “aperfeiçoar o modelo atual”, de repartição, e para “introduzir o novo modelo”, de capitalização – em que cada um contribui para a sua própria Previdência.

O candidato sugere a introdução de um sistema com contas individuais de capitalização, em que cada um contribui para a sua própria aposentadoria e não para o sistema em geral – atualmente, trabalhadores que estão no mercado de trabalho custeiam a aposentadoria dos mais velhos. Para os que optarem pela capitalização, o governo promete benefícios de redução dos encargos trabalhistas.

Para compensar o problema da insuficiência de recursos na transição dos regimes, o plano de governo bolsonarista propõe a criação de um fundo para “reforçar o financiamento da previdência e compensar a redução de contribuições previdenciárias”.

Bolsa Família

Criado no governo Lula, o programa Bolsa Família já foi criticado pelo candidato do PSL. Em 2012, Bolsonaro disparou: “O Bolsa Família é uma mentira. Você não consegue uma pessoa no Nordeste para trabalhar na sua casa. Porque se for para trabalhar, perde o Bolsa Família”. Agora, em seu programa de governo, ele propõe a “modernização e aprimoramento do Programa Bolsa Família e do Abono Salarial, com vantagens para os beneficiários”. Em vídeo gravado nas últimas semanas, promete até criar o 13º salário para os beneficiários do Bolsa Família.

Haddad promete reforçar os investimentos no programa, “incluindo aqueles que voltaram à pobreza com o golpe”. Segundo o plano, o governo do petista vai “recuperar a capacidade do Estado em retomar os grandes projetos sociais”, que incluem também o Minha Casa Minha Vida, Mais Médicos e Farmácia Popular.

Política macroeconômica

O programa de Bolsonaro diz que vai manter o tripé macroeconômico vigente: câmbio flexível, meta de inflação e meta fiscal.

Sem detalhar as ações, o programa diz que vai avançar “em maior flexibilidade cambial e mais ortodoxia fiscal”. O candidato propõe ainda a independência institucional do Banco Central, com mandatos fixos para a diretoria e “metas de inflação e métricas claras de atuação”.

O programa de Haddad diz que “as políticas monetária, fiscal e cambial devem estar voltadas para garantir o desenvolvimento econômico sustentável”.

Para controlar os movimentos da taxa de câmbio, o ex-prefeito de São Paulo diz que o país precisa “adotar regulações que reduzam os movimentos puramente especulativo de curto prazo sobre o mercado interbancário e sobre o mercado de derivados”.

O programa sugere também uma “transformação profunda do sistema bancário e financeiro” que permita acesso ao crédito barato para famílias, empresas e pequenos negócios. O candidato petista propõe “revitalizar os bancos públicos”, principalmente o BNDES, o Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal, para estimular a competição bancária e, consequentemente, difusão do crédito aos pequenos negócios e famílias de baixa renda.

O Banco Central, ainda segundo o plano petista, manterá sua autonomia e seu propósito de controlar a inflação, permanecendo atento a temas como a estabilidade do sistema financeiro e o nível de emprego.

ANOTE AÍ

Fonte: Congresso em Foco

continua depois da propaganda