“Um cartel de bancos privados que domina o estado, do regulador ao regulado, chama o sistema financeiro de… mercado.”

Por Kleytton Guimarães Morais

A divulgação do pedido de renúncia do ex-presidente do BB Rubem Novaes tornou público o “drama” do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes. Com um salário muito mais baixo que os praticados na iniciativa privada, R$ 68,8 mil, a indicação pra presidir o BB tornou-se um problema.

Afinal, como a predileção do governo por  um executivo do mercado poderia ser conciliada? Após várias declinações, o governo Bolsonaro parece ter “encontrado” o homem do “mercado” para dar sequência aos desejos da banca: André Brandão topou presidir o BB e, com isso,  encerra o ciclo de objeções que outros nomes, igualmente sondados, fizerem – segundo técnicos do próprio governo, pelo fato de, enquanto executivos de mercado, não abrirem mão de ganhos milionários praticados na gestão dos bancos privados, que nos bancos públicos/estatais seriam muito menores.

Bom, segundo versões, o critério para preenchimento do cargo seria o convite, não uma condicionante para apoio político do Centrão… Por esta versão, destaque-se que o governo Bolsonaro/Guedes desconsiderou e desprezando a alta cultura de formação de quadros executivos de carreira do próprio Banco do Brasil, reconhecidos e com destacada atuação tanto no setor público quanto no privado, inclusive em diferentes ramos da atividade econômica, prefere nome, que fique bem claro, “do” mercado, posto que “de” mercado os executivos do Banco são e de altíssima performance.

A ladainha, então inclemente, teve fim. Nem Centrão, tão pouco tecnicismo. A sinalização “patriótica” de André Brandão de “aceitar” presidir o Banco do Brasil, mesmo deixando de ganhar milhões enquanto lá permanecer, é tarefa dada pela “indicação do mercado“,  leia-se da banca privada. Espírito patriótico ou impublicáveis condicionantes moveram a decisão do executivo? Em verdade, existe o entendimento de que o novo presidente deverá levar adiante o plano de venda de ativos da instituição financeira, algo que poderia ficar muito mais comprometido e dificultado, com alguém de “dentro de casa”.

O sonho já revelado do ministro Guedes de “vender logo a p**** do Banco do Brasil” não deixa dúvidas. A indicação do André Brandão, homem de mercado, apoiado pelo mercado, Salim Matar e o capeta explica o que se pretende com a BBDTVM. Privatizá-la, entregando à UBS, HSBC ou qualquer outro banco internacional e assim reduzir a capacidade de intervenção e o papel estratégico do BB, até liquidá-lo.

É companheirada, sabíamos que não seria fácil mesmo! Resta-nos, como sempre, olhos, ouvidos, pensamentos atentos e o determinado espírito de luta a defender nossos direitos e a esta imprescindível ferramenta de desenvolvimento e transformação do estado e a serviço do povo brasileiro chamada Banco do Brasil.

E A HISTÓRIA, O QUE NOS CONTA? 

André Brandão comandava a operação do HSBC no Brasil à época da operação Swissleaks, desencadeada em 2015, que revelou um gigantesco esquema de evasão fiscal alegadamente operado com o conhecimento e encorajamento do banco multinacional britânico HSBC através de sua subsidiária suíça, o HSBC Private Bank (Suisse). Diferentemente do posicionamento dos principais chefes do banco que pediram desculpas publicamente pelas práticas “inaceitáveis
cometidas, o então presidente da operação Brasil convocado para prestar depoimento à CPI no Senado, indagado sobre as contas de brasileiros na filial Suíça do banco, respondeu que o HSBC no Brasil não tinha dados a respeito.

À época o Ministério Público Federal, responsável pela apuração do crime de evasão de divisas e o fisco revelaram ter efetivamente identificado 7.243 correntistas brasileiros e detinham em valor total depositado nas contas relacionadas ao Brasil no HSBC aproximadamente US$ 7 bilhões, hoje pouco mais de R$ 36 bilhões, valores sonegados nas declarações de Imposto de Renda desses contribuintes.

O banco – que sempre havia feito do conservadorismo um mantra dos negócios bancários, deixou flancos abertos, a partir da autonomia dada para os gestores locais. E isto ocasionou falhas de governança que permitiram a ocorrência de fraudes e envolvimento da instituição em escândalos que lhes imputaram mais de US$ 11 bilhões em multas em acordos com autoridades reguladoras nos Estados Unidos e na Europa.

Por outro lado, nas bandas de cá, como se sabe, a operação deu em pouco mais que coisa alguma. Resultando na implementação de “regimes de regularização extraordinária” para atrair capital tributável que estava guardado no estrangeiro, em troca de taxas de imposto favoráveis.

Kleytton Guimarães Morais -Presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília e funcionário do Banco do Brasil. 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: