A Bahia tem, provavelmente, a mais bela, prolongada e diversificada orla marítima do Brasil, sua atração mais atraente. Mas há outras bahias, talvez menos conhecidas, mas igualmente lindas e agradáveis. É o caso da Chapada Diamantina, uma extensa região protegida por um Parque Nacional e pelas comunidades, que têm no turismo sua principal atividade econômica.

Ali, nos 1.520 Km2 do Parque, há de tudo um pouco.  Mata Atlântica, campos floridos, verdes planícies se encontram e se misturam com pedaços de Cerrado e de Caatinga, por onde transitam espécies de animais raras, como tamanduá-bandeira, tatu-canastra, porco-espinho, gatos selvagens, capivaras e inúmeros tipos de pássaros e cobras.  Paredões, desfiladeiros, cânions, grutas, cavernas, rios e cachoeiras chamam à aventura.

A Serra do Sincorá serve de anteparo aos morros que são as pilastras da Chapada. E estes, por sua vez, abrigam cidades históricas, como Lençóis, Mucugê, Andaraí, Rio de Contas; cachoeiras como a da Fumaça (320 m), do Frade e do Sossego; trilhas fáceis e difíceis, pra caminhadas e ralis; morros emblemáticos, como o do Camelo; muitos hotéis, pousadas e restaurantes; e por aí vai.

A Chapada é bem localizada, ao centro do Estado, mas não muito distante de Salvador, a capital, de Feira de Santana, Vitória da Conquista, que são outras importantes cidades mais próximas do litoral. O acesso é muito fácil, especialmente a Lençóis, a cidade mais visitada, pela sua localização. Mas, lá dentro, por sorte, o quadro muda de figura, e as estradas são mantidas com seu aspecto rural.

O acesso é relativamente fácil, por diversos caminhos. Lençóis, por exemplo, tem voos regulares pra Salvador, a 430 km dali, e outros centros do país. Por terra, há estradas que cortam a Bahia de leste a oeste e passam pela Chapada pelo norte e pelo sul.

São muitos os roteiros e incontáveis as possibilidades.

Vale conferir: http://bahia.com.br

Deixe uma resposta