Por: Fátima Safadi Carvalho

Nem de longe o Líbano de hoje lembra a nação historicamente ocupada e dominada por invasores, desde o ano 3.000 A.C., primeiro pelos Hicsos, Egípcios e Assírios, enquanto ainda era a Fenícia.

A partir do ano 64 A.C., pelos Romanos, depois pelos Cruzados, depois pelos Turcos com seu império Otomano e, por fim, pela dominação francesa, que deixou o país somente em 1946. Sem falar no vizinho rico e belicoso, Israel, apontando seus olhares e garras afiadas 24 horas por dia.

Essa imperiosa necessidade de resistir e sobreviver levou o país a falar três idiomas, o árabe, o francês e o inglês, sendo este último ensinado às crianças desde a alfabetização. Além, é claro, do português e do espanhol, popularizados em face da grande e mais recente imigração latina. Meu árabe com sotaque português fez sucesso.

TOLERÂNCIA E SOLIDARIEDADE

Meus parentes e a região que visitei são predominantemente muçulmanos. No entanto, o que me chamou muito a atenção é a convivência harmoniosa e pacífica entre cidades e povos de religiões diversas. Convivendo com cenas de intolerância religiosa por aqui, imaginei que fosse encontrar um ambiente fundamentalista no Líbano. Exatamente o contrário.

Os Cristãos representam cerca de 53% da população, sobretudo na capital Beirute. O convívio é o mais pacífico possível. Na capital se pode observar a existência de diversas igrejas católicas. Visitei uma delas, a da Santa Nossa Senhora do Líbano.

Aliás, o presidente do Líbano é um Cristão Maronita e nomeou como seu primeiro ministro um muçulmano. Todo o parlamento libanês é mesclado entre as religiões.

BEIRUTE, A SUÍÇA DO ORIENTE MÉDIO

Três da madrugada chegamos a Beirute. Sorte com as malas que, não raramente, são reviradas ou mesmo extraviadas. Com as nossas, tudo em ordem.

A primeira e gratificante surpresa é a beleza de Beirute, não à toa chamada de Suíça do Oriente Médio. Moderna, orla marítima iluminada e segura, muita cor, muito brilho, muita música.

Vi trajes oscilando entre baby-look, tênis e saia curta e os comportados e não menos lindos lenços árabes. Tudo junto e misturado, em uma perfeita harmonia, a mesma que já há algum tempo não se observa em terras tupiniquins.

Beirute foi a parte final do meu passeio. Locamos uma Van e fomos para a Gruta de Jeita, acesso por teleférico, por barco e trecho final a pé. Simplesmente a maior gruta que já conheci. Quilômetros sob a terra, com desenhos e capelas esculpidos em estalactites lapidados há milênios. Lamentavelmente é proibido fotografar, até mesmo de celular.

Ainda de teleférico, no alto de uma das montanhas de Beirute, visitamos a santa católica Harissa, também conhecida como Nossa Senhora do Líbano. O santuário acolhe cristãos e muçulmanos. A estátua, no cume da rocha, se projeta sobre Beirute e pode ser comparada ao Cristo Redentor no Rio de Janeiro.

Visitamos ainda a mesquita Muhammad Ali Amin, uma das maiores e mais belas do Líbano, destruída pela guerra com Israel e reconstruída pelo falecido presidente Hafik Hariri.

A Mesquita encontra-se exatamente lado a lado com uma também bela igreja católica. Nas proximidades de ambas foi construído um centro comercial de luxo denominado Downtown, onde os melhores estilistas do mundo expõem e comercializam sua produção.

Por fim, conhecemos Trípoli, na grande Beirute, centro turístico e de compras. Em sua orla marítima, Zaitunay Bay, se pode curtir a melhor Happy Hour do Mediterrâneo.

Fátima Safadi Carvalho
Pedagoga. Esta matéria completa o relato de Fátima sobre sua viagem ao Líbano, que teve sua primeira parte publicada na edição 33 da Xapuri, de julho de 2017.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via Whatsapp: 61 9 9611 6826.  

Camiseta Krenak

Comentários

%d blogueiros gostam disto: