fbpx

Parque Nacional da Chapada dos Guimarães

Com seus 32.630 hectares, o Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, localizado nos municípios de Cuiabá e Chapada dos Guimarães, no Estado de Mato Grosso, é um dos mais bonitos do Brasil.

Criado em 12 de abril de 1989, pelo Decreto Lei 97.656, o parque não somente protege amostras significativas dos ecossistemas e sítios arqueológicos locais, mas é também um espaço ímpar para a educação e a pesquisa.

Anúncios

Aberto para a visitação o ano todo com entrada gratuita, o parque pode ser acessado pela Rodovia Emanuel Pinheiro – MT-251, que o margeia e o corta em grande extensão. Embora asfaltada, a rodovia não tem acostamento e a maioria do trajeto é feito em pista simples, com vários trechos em aclive, com trânsito pesado em período de férias e feriados.

Embora existam atrativos para todos os gostos durante todo o ano, torna-se importante saber que a região sofre grandes incidências de chuvas de dezembro a março, e está sujeita a altas temperaturas de julho a outubro, durante o período de seca.

Segundo o Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade – ICMBio – www.icmbio.org.br, órgão gestor do parque, a visitação aos atrativos observa um sistema de controle, de acordo com a capacidade de gestão, para a garantia de uma visitação agradável, segura e de baixo impacto ambiental.

Encontram-se abertos à visitação o Mirante do Véu de Noiva, o Circuito das Cachoeiras, a Casa de Pedra, a Cidade de Pedra e o Morro de São Jerônimo. Exceto pelo Mirante, os demais atrativos requerem agendamento prévio com guias ou condutores autorizados pelo Parque Nacional. Para mais informações, acessar: www.ecobooking.com.br

Em qualquer época, há bastante disponibilidade de hospedagem e serviços de alimentação tanto na cidadezinha de Chapada dos Guimarães, a apenas 11 quilômetros da entrada do parque, como na capital do Estado, Cuiabá, distante cerca de 50 quilômetros.

 

PRINCIPAIS ATRATIVOS

Cachoeira Véu de Noiva – As águas do Córrego do Coxipozinho despencam de 86 metros de altura, cercadas por um paredão de arenito em forma de ferradura, onde se aninham e voam belas araras vermelhas, para a emoção de quem visita a cachoeira.  Uma trilha de cerca de 550 metros liga a área de estacionamento ao mirante da Cachoeira. A visita é autoguiada. O acesso se dá pelo Km 50 da MT-251. O local oferece telefone público e banheiros. O calor é forte e não há sombras.

Casa de Pedra – Antigo refúgio de escravos fugidios e abrigo para os homens da Coluna Prestes, a Casa de Pedra é uma gruta de arenito esculpida pelo Córrego da Independência. Possui vestígios de inscrições rupestres. Pode ser acessada tanto por quem faz o Circuito das Cachoeiras quanto por quem visita o Morro de São Jerônimo. A visita requer acompanhamento de guias autorizados.

Cidade de Pedra – Depois de uma curta caminhada de 300 metros, chega-se aos mirantes existentes na beira dos paredões da Chapada dos Guimarães. De lá, tem-se uma visão magnífica de um vale onde abundam os contrastes das formações de vereda e de Cerrado, entremeadas por cachoeiras. Durante o passeio, podem-se observar pegadas de antas e onças pelo caminho, bandos de araras voando sobre os paredões, além de corujas, emas e seriemas.  O acesso à Cidade de Pedra é feito a partir da Cidade de Chapada dos Guimarães, em estrada de terra.  O belíssimo roteiro exige veículo 4×4, acompanhamento de guia credenciado e assinatura de Termo de Conhecimento de Risco.

Circuito das Cachoeiras – O circuito é formado por seis cachoeiras, todas no Córrego da Independência: Andorinhas, Degraus, Independência, Sete de Setembro, Prainha e Pulo, todas liberadas para banho, exceto a Cachoeira da Independência, também conhecida como Cachoeira dos Malucos. No total são 6 km de trilhas (ida e volta), sem comércio na área, razão porque se deve levar água, lanche, protetor solar. As visitas requerem pré-agendamento para horários específicos e acompanhamento de guias autorizados.

Morro de São Jerônimo – Com seus 800 metros de altura, o Morro de São Jerônimo é um dos pontos mais altos do Parque Nacional, com grande dificuldade de acesso. A subida ao morro dura de cinco a seis horas e é feita em estrada, trilha com aclive e declive e uma pequena escalada, razão porque exige um bom condicionamento físico das pessoas visitantes.  Embora os riscos de acidentes sejam moderados, a visita requer acompanhamento de guia ou condutor credenciado, agendamento prévio e assinatura de Termo de Conhecimento de Risco para cada visitante.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

ASSINE AQUI

Anúncios