Reflexões sobre a Reforma da Previdência de Goiás

Por Bia de Lima

Aumento da alíquota de 8%, fim do quinquênio, desvalorização dos/as servidores/as públicos/as, desrespeito aos direitos dos/as trabalhadores/as é isso que propõe a PEC da Reforma da Previdência de Goiás, enviada à Assembleia Legislativa do Estado, espelhada na Reforma apresentada em Brasília. Sabendo da grande possibilidade de aprovação da matéria, sem a devida discussão com a sociedade, o SINTEGO articula audiências, reuniões e discussões
com os/as representantes sindicais dos/as servidores/as públicos/as e principalmente com deputados, com o objetivo de construir estratégias que impeçam o avanço da PEC da Reforma da Previdência Estadual.

Os sindicatos devem entrar em contato com o Sindifisco, entidade que representa os/as auditores/as fiscais de Goiás, para que possam contrapor os números apresentados pelo Governo Estadual, bem como o DIEESE, para argumentar de forma técnica que os dados apresentados pelo governo não correspondem com a verdade. A administração estadual quer justificar o absurdo, colocando a responsabilidade toda nas costas dos/as servidores/as públicos/as. De acordo com a proposta da Reforma,a idade média de aposentadoria dos/as servidores/as públicos/as é de 48 anos, o que não é verdade!

Goiás é o Estado da Federação que, atualmente, paga a maior alíquota de contribuição da Previdenciária, 14,25%. Com o aumento proposto pela Reforma, esse percentual pode chegar a 22,5%, o que é impraticável. Além disso, o Estado
dá uma rasteira nos/as servidores/as públicos/as ao propor junto com as alterações da Previdência também o fi m do quinquênio. A PEC revoga o inciso XIX do artigo 95 da Constituição, que garante o quinquênio e sua incorporação aos vencimentos de inativos/as e pensionistas. A proposta revoga ainda o parágrafo 1° do mesmo inciso que estabelece: “O Estado pagará auxílio especial a seus servidores que tenham fi lho excepcionais, matriculados em instituição especializada para receber tratamento, na forma e valor fixados em lei”.

O Governo Estadual quer pegar os/as servidores/as públicos/as de surpresa com uma Reforma Administrativa embutida na Reforma da Previdência. É impossível que aceitemos isso PEC da maldade: aumento da alíquota e fim do quinquênio. A PEC revoga o inciso XIX do artigo 95 da Constituição, que garante o quinquênio e sua incorporação aos vencimentos de inativos/as e pensionistas. A proposta revoga ainda o parágrafo 1° do mesmo inciso que estabelece: “O Estado pagará auxílio especial a seus servidores que tenham fi lho excepcionais, matriculados em instituição especializada para receber tratamento, na forma e valor fixados em lei”.

O Governo Estadual quer pegar os/as servidores/as públicos/as de surpresa com uma Reforma Administrativa embutida na Reforma da Previdência. É impossível que aceitemos isso calados/as. Nós, trabalhadores/as da Educação, não concordamos com essa medida de forma alguma e vamos mobilizar toda a categoria e os/as demais servidores/as públicos/as contra estas medidas nefastas a quem leva para a população os benefícios das políticas públicas.

Os prejuízos da Reforma são muitos. O Governo não percebe que quando somado aos outros descontos salariais, o acréscimo da alíquota é cruel. Em 2019, os/as servidores/as públicos/as além de não terem seus reajustes garantidos, tiveram um aumento absurdo de quase 22% no Ipasgo, Instituto de Assistência dos Servidores
do Estado de Goiás. Se soma a isso, o Imposto de Renda e, agora, mais que os já elevados 14,25%,o governo quer novo aumento. Mais da metade do salário é para pagar impostos, devolver para o próprio Governo. Como os/as servidores/as vão sobreviver?

Não podemos pagar para trabalhar, nós já estamos sendo sacrificados demais!

A categoria da Educação principalmente, vem sofrendo de todos os lados. No governo anterior, acabaram com a Gratificação de Titularidade, neste ano, até agora não foi respeitada a lei do Piso, não foram assinadas as progressões e agora tentam empurrar essa Reforma que maltrata ainda mais os/as trabalhadores/as. É muita maldade! Nós não vamos pagar pelas irresponsabilidades das administrações! Agora, as entidades sindicais buscarão o apoio
dos parlamentares, muitos deles são servidores públicos de carreira, o que pode facilitar o diálogo.

A Reforma da Previdência não pode ser aprovada da forma como foi apresentada. O SINTEGO mobilizará de todos/as os/as servidores/as públicos/as, especialmente os/as da Educação, para que conversem com os/as deputados/as de sua região, e se manifestem contra a Reforma da Previdência de Goiás. Precisamos ter nossos direitos garantidos,
resguardados e cumpridos!

Chega de maldades!

Fonte: Sintego

 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: