O prêmio Riba International Prize (Royal Institute of British Architects), considerado um dos mais importantes da arquitetura, foi entregue para Marcelo Rosenbaum, em reconhecimento pelo projeto arquitetônico Aldeia das Crianças (falamos aqui)que fica na fazenda Canuanã, no Tocantins e se destaca pela forma inovadora com que se integra com o meio ambiente.

A escola, feita em parceria com o escritório Aleph Zero, é pensada para atender aos anseios da população local e foi feita quase que inteiramente com madeira reaproveitada. O projeto inova ao integrar o edifício ao cenário natural, colocando em prática o conceito de sustentabilidade econômica e ambiental. Aliás, falamos de um local especial, que integra três biomas, cerrado, pantanal e amazônico.

 

Durante as etapas, Rosenbaum buscou envolver alunos e comunidade na projeção das salas de aula, das varandas e dos espaços comuns. A ideia era manter vivo valores indígenas e passar uma sensação de pertencimento para as crianças em processo de amadurecimento.

Foram realizados encontros com mais de 540 adolescentes, responsáveis pela criação de jogos e workshops pensados para entender as necessidades dos estudantes e os conceitos de convívio em comunidade.

O complexo atende cerca de 800 alunos e alguns moram no local. O fato abraça o conceito de empatia, pois se entrelaça ao cotidiano da comunidade. A escola possui duas vilas, uma masculina e outra feminina. Os dormitórios foram transformados em 45 unidades para seis alunos cada.

Existem também espaços de convivência, como a sala de TV, sala de leitura, varandas, pátios e redários. Elementos para valorizar a ancestralidade e elevar a autoestima dos pequenos.

A expectativa agora fica por conta dos avanços na qualidade de ensino

O Tocantins é uma das regiões mais quentes do Brasil. Na capital Palmas, por exemplo, as temperaturas ultrapassam facilmente a casa dos 40 graus. Por isso, o prédio possui paredes com frestas, que permitem a ventilação natural. Ou seja, na Aldeia das Crianças não existe ar-condicionado. Os alunos só reclamam do frio durante a noite, mas isso se resolve com cobertores.

“O desafio foi convencer alunos e professores que recursos naturais representam sim progresso. Ser moderno não é sinônimo de construções com vidros, paredes de concreto, aço ou ar-condicionado”, explicou ao The Guardian Gustavo Utrabo, um dos fundadores do Aleph Zero.

Além do Riba, Aldeia das Crianças recebeu em fevereiro passado o prêmio de Arquitetura Educacional, entregue pela Building of the Year.

O centro educacional feito por Rosenbaum em parceria com o Aleph Zero, venceu outros 20 concorrentes de 16 países, entre eles Itália, Japão e Hungria. O convite foi feito pela Fundação Bradesco, responsável por construir a escola na década de 1970.

O local reúne três biomas, cerrado, pantanal e amazônico

ANOTE AÍ:

Fonte: 

https://www.hypeness.com.br/2018/11/escola-de-madeira-na-amazonia-e-eleita-melhor-obra-de-arquitetura-do-mundo

 

3 Responses

  1. Carlos Caridade

    Que coisa boa de saber o quanto somos capazes de realizar harmonicamente com a nossa mãe natureza. Sensacional!

    Responder
  2. Natália Machado Vieira

    Só corrijam uma coisa o Marcelo Rosenbaum não é arquiteto, ele é desing

    Responder

Comentários

%d blogueiros gostam disto: