Ciência sem cortes, Educação sem veto

Por Edna Ferreira

Além de evitar o retrocesso do orçamento de 2019, comunidade científica e acadêmica do RN luta pela revogação da Emenda Constitucional 95

Alertar e discutir sobre a ameaça de corte drástico para o orçamento de 2019 nas áreas da Ciência e da Educação. Esses foram os objetivos da Aula Pública intitulada “Ciência sem cortes, Educação sem veto: a LDO 2019 e o atual cenário brasileiro”, realizada na última quarta (8) no Auditório da Biblioteca Central Zila Mamede, na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

A aula contou com a participação do professor John Fontenele, secretário Regional da SBPC – Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, e da professora Márcia Gurgel, diretora do Centro de Educação da UFRN e presidenta do FORUMDIR – Fórum Nacional de Diretores de Faculdades, Centro de Educação ou Equivalentes das Universidades Públicas Brasileiras.

Ambos concordam que o ofício do Conselho Superior da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), que circulou nas redes sociais no dia 2 de agosto, aumentou a apreensão da comunidade científica e acadêmica. O documento encaminhado ao ministro da Educação, Rossieli Soares da Silva, alerta sobre a suspensão de bolsas a partir de agosto de 2019 se for mantido o teto orçamentário informado pelo governo.

 

Momento crítico

Ciência e educação

John Fontenele afirma que esse é um momento crítico que afeta e muito as universidades brasileiras. Foto: Luana França

Para o professor John Fontenele esse é um momento crítico que afeta e muito as universidades brasileiras, especialmente as universidades federais. “Esta ameaça é real e nós precisamos, comunidade acadêmica e sociedade brasileira, de uma grande mobilização para impedir que haja um retrocesso em relação ao projeto de Lei Orçamentária que já foi aprovado no Congresso e está sendo ameaçado de cortes, de vetos por parte do presidente da República e isso é muito grave”, afirmou.

Quanto a Emenda Constitucional 95, chamada de “lei do fim do mundo”, Fontenele falou das ações específicas da SBPC sobre o assunto: “A SBPC aprovou em todos os seus fóruns, inclusive na última assembleia, uma resolução solicitando a revogação da Emenda Constitucional 95, que restringe o investimento público em áreas sociais. Por isso estamos encaminhando a todos os candidatos a presidente, ao senado, aos deputados federais, solicitando que se comprometam em revogar a EC 95 na próxima legislação.”

Impacto na qualidade da Educação

Ciência e educação

Márcia Gurgel: “Hoje, estamos com o orçamento de 2014, praticamente congelado” Foto: Luana França

A professora Márcia Gurgel alertou para o forte impacto dos cortes na qualidade da Educação. “Hoje, estamos com o orçamento de 2014, praticamente congelado e com toda a defasagem que ele teve também ao longo desses anos. E além do corte geral, nós tivemos um impacto muito grande no programa de formação de professores que traz consequências não só para o ensino superior como para a Educação Básica”.

Se não houver uma reversão na LDO, a professora acredita que todos os programas de formação de professores podem ser descontinuados. “Teremos um corte enorme em programas importantíssimos como o Pibid que é o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência, os programas de Mestrado Profissional para os professores da Educação Básica, o Proeb, como o Residência Pedagógica que estava iniciando agora, e as vagas para o Universidade Aberta do Brasil, só a UFRN oferece nove licenciaturas. São cursos destinados a professores da rede que não tem formação superior. Hoje, nós temos uma faixa de 73% de professores com formação superior, mas ainda temos 27% de professores a serem formados”, ressaltou.

Gurgel reiterou que esses programas destinavam-se para a formação de quem atua nos estados e municípios, que as universidades vinham contribuindo fortemente para essa formação e que tem impacto grande para a melhoria da qualidade da Educação. para ela, o corte gera consequências muito graves para a Educação Básica. “Temos aí uma situação complicada tanto para a universidade, na graduação e pós-graduação, como também para a Educação Básica no seu conjunto”, pontuou.

Surpresa desagradável

Assim como milhares de bolsistas do país que foram surpreendidos com o ofício da Capes, Diego Silveira, aluno de Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Neurociências do Instituto do Cérebro (ICe) da UFRN acompanhou a Aula Pública com preocupação. “O ofício da Capes surpreendeu e gerou um burburinho nas redes sociais. Obviamente que estou preocupado com a situação atual do país, eu sabia que não era só o corte de bolsas. Já vinha percebendo e acompanhando uma diminuição no orçamento para a Educação, também sabia que a Universidade tem problemas orçamentários. No próprio ICe se percebe no dia-a-dia que houve uma diminuição na verba de custeio, para a manutenção dos laboratórios, não só na questão das bolsas. Mas a o ofício da Capes surpreendeu a todos, alertando para essa situação de que em 2019 não teria o dinheiro para pagar as bolsas”.

Obviamente que estou preocupado com a situação atual do país, eu sabia que não era só o corte de bolsas. Já vinha percebendo e acompanhando uma diminuição no orçamento para a Educação, também sabia que a Universidade tem problemas orçamentários

Além de estudantes e professores de graduação e pós-graduação da UFRN a plateia contou com a presença de representantes da União Estadual de Estudantes (UEE/RN), da Associação Nacional de Pós-Graduandos (ANPG), do Diretório Central dos Estudantes (DCE/UFRN). Como membro da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia (CECT) da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Norte, o deputado Estadual Fernando Mineiro contribuiu com o debate.

“Li uma matéria no jornal Valor Econômico, veículo que defendeu a Emenda do teto dos gastos, mostrando como o país vai parar geral caso não haja a reversão da Emenda Constitucional 95. Essa é a questão central do Brasil, o resto é firula. Essa questão precisa ser enfrentada. O ano de 2018 vai balizar os próximos 20 anos. Estamos na metade do ano e o que os economistas estão dizendo, inclusive os conservadores, é que o país vai parar, que não há como o país funcionar se não houver uma revogação dessa Emenda. Esse não é um problema só da universidade. Precisamos fazer um debate com a sociedade para criar um movimento que envolva setores da economia privada, pequenos e médios empresários para mostrar o que está acontecendo no país. Levar o debate para fora dos muros da universidade”, propôs. Ele convocou todos a participar das atividades do Dia do Basta!, nesta sexta, 10 de agosto.

Fonte: Nossa Ciência


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

ASSINE AQUI

%d blogueiros gostam disto: