Todo santo ano, desde 1745, de quarta para quinta-feira da Semana Santa acontece na cidade Goiás, antiga capital do Estado, a Procissão do Fogaréu, cujo ritual, trazido pelo pároco espanhol  João Perestelo de Vasconcelos Espíndola, representa a procura e a prisão de Cristo.

Zero hora da quinta-feira: as luzes dos postes do centro histórico da cidade se apagam, os  tambores rufam e  cerca de 4o homens encapuzados, os farricocos (soldados romanos), carregando tochas e entoando cantos em latim, dão início ao ritual.

Durante todo o percurso, que parte  do Museu de Arte Sacra da Boa Morte, passa pela Igreja do Rosário (representando o local da última ceia) e chega até a Igreja de São Francisco de Paula, que faz o papel do Monte das Oliveiras, onde Cristo foi preso, milhares de pessoas acompanham a procissão.

Desde a saída da procissão da porta da Igreja da Boa Morte,  até a chegada na Igreja de São Francisco de Paula com um farricoco carregando um  estandarte de linho pintado em duas faces, obra do artista plástico oitocentista Veiga Valle, com a imagem de Jesus simbolizando sua captura, a cerimônia dura cerca de uma hora.

Em busca de Cristo,  os “soldados romanos”,vestidos com túnica comprida  e por um longo capuz cônico e pontiagudo, guardando fortes semelhanças com as vestimentas que ainda hoje são comuns nas celebrações da semana santa na Espanha,  vão até  a Igreja de Nossa Senhora do Rosário, onde encontram a mesa vazia já vazia da última ceia e, dali, seguem para o “Jardim das Oliveiras”, onde conseguem prender Jesus.

A prisão de Cristo é anunciada com toque de clarim. Depois da prisão, dá-se um momento de silêncio e, em seguida, conforme a tradição católica, é celebrada uma missa.

Procissão do Fogaréu

 

Foto – Procissão do fogaréu: curtamais.com.br

ANOTE AÍ:

Fontes: Prefeitura Municipal de Goiás, Rádio Vaticano. A foto de capa desta matéria foi distribuída pela organização da Procissão.

Anúncios

Comentários

X
%d blogueiros gostam disto:
preloader